Resenha Especial: "SP Metal I"

Hail Headbangers! Hoje a minha cidade natal esta comemorando 466 anos e mesmo não morando lá a alguns anos, achei bem oportuno fazer uma homenagem para a cidade do caos, entre várias idéias o 'insight' aconteceu, porque não resenhar onde tudo começou? Então, essa resenha se dedica a "SP Metal I".

Assim como muitos dos nossos leitores, eu ainda não era nascido no ano de 1984, mas impossível não sentir o espírito de companheirismo e força ao metal que ocorria naquela época, e essa sensação é o que temos ao ouvir "SP Metal I", claro que esse não foi o primeiro trabalho de 'Heavy' Metal do Brasil, porém, ele serve muito de parâmetro para entendemos  como estava o cenário naquela época e afirmo com certa tranquilidade, muitos músicos consagrados hoje da cena brasileira, se inspiraram nesse trabalho.

Não cabe aqui apresentar toda a jornada de Luiz Calanca e da Baratos Afins, pois em uma pesquisa no Google você encontra toda a caminhada que foi para captar e lançar esse material, mas nossa melhor forma de homenagear, é ouvir o registro bem alto, sim, é um vinil raríssimo, mas convido nosso leitor a acessar o 'link' enquanto lê essa resenha, e vamos nos transportar para 1984. 


1) Avenger Missão Metálica: Abre a coletânea meu som favorito! Claro, a qualidade é questionável, mas essa letra é maravilhosa. Difícil identificar o trabalho de bateria pois está meio fraca, mas tente, só tente, não cantar o refrão! 

2) CenturiasDuas Rodas: Homenagear motos é clichê, sim! Mas esse som é demais! Uma pegada de 'Heavy' Metal tradicional com 'hard rock' numa linha daquela que o Saxon iria fazer anos depois, o baixo e os vocais são destaques.

3) VirusMatthew Hopkins: Uma banda que merecia muito mais reconhecimento, o Virus voltou a lançar um trabalho ano passado, álbum que figurou na nossa lista de melhores do ano. Se hoje temos bandas fantásticas de 'Speed' Metal como Selvageria, e Álcool, podemos dizer que o Virus é um dos responsáveis. Pensa a dificuldade de gravar esse solo com os equipamentos da época.

4) Salário MínimoCabeça Metal: Talvez por nunca ser chegado em 'Hard' Rock o Salário Minimo não me chamava muito a atenção, mas mesmo dentro das definições do estilo, o Salário descia a mão, sendo um 'hard heavy', o que faz esse som ser o meu favorito da banda até hoje.

5) CentúriasPortas Negras: Para quem quer conhecer o 'Heavy' Metal brasileiro, sinta-se obrigado a atravessar as Portas Negras. Sempre quando escuto esse som, eu penso, como eles não foram longe? Passagens com influências de Iron Maiden e um vocal que sabia cantar como poucos. Sabe a definição de injustiça? Pois é, ela se aplica muito nesse caso.

6) Salário MínimoDelírio interestelar: Aqui eles apresentam a fórmula que logo depois seria atingida com "Beijo Fatal". Como já disse, não sou muito conhecedor de 'Hard Rock', mas dá para ver um cuidado melhor no acabamento dessa faixa em especial, principalmente na mudança de andamento após o primeiro solo.

7) AvengerCidadão do mundo: Correndo o risco de ser repetitivo aqui, mas não posso deixar de citar que o Avenger merecia também um destaque na história do Metal brasileiro. Ouça o baixo dessa música e a qualidade das guitarras, lembrando que estamos falando de uma época que não existia efeitos de estúdio, ou você sabia tocar ou não, simples assim!

8) VírusBatalha no setor Antares: Outro clássico do metal nacional que eu espero muito poder ver ao vivo. Sabe aqueles sons que crescem a cada passagem? É isso que essa faixa apresenta. A velocidade desse som é impressionante, assim como a mudança nos vocais e a interpretação, enfim, o autêntico Metal Nacional, na sua melhor forma. 


Revisado por Carina Langa.

Resenha: "AntiAutoAjuda" (2019) - Manger Cadavre?

Essa é uma resenha até que tardia, já que este álbum foi disponibilizado em 2019.  Mas tenho uma explicação para o porque desse 'atraso'. Pois bem, a demora é devido ao fato de este, ser um trabalho conceitual. Acredito que ele precisava de um tempo de maturação e a audição dele foi vindo em uma crescente. Claro que desde a primeira vez que o ouvi, a violência sonora me chamou muito a atenção, mas ele vai além e por isso essa resenha só agora, na tentativa de ser mais completa e explicar porque "AntiAutoAjuda" foi eleito, por nossa equipe, como um dos melhores trabalhos de 2019.


Não consigo ver esse trabalho como um simples CD, na verdade, temos aqui um manifesto da união dos trabalhadores contra um sistema que te leva a exploração, a frustração e logicamente, a suposta utopia de lutar para conquistar o inalcançável. Nessa jornada, você abre mão do seu lazer e da sua família para atingir supostos 'necessários' bens. Claro que essa é uma análise simplista, a banda vai muito além e desafio você a passar pela audição desse trabalho sem refletir o que esta fazendo com a sua própria vida.

O que torna tudo ainda mais especial é que esse é o primeiro 'full' do Manger, com uma qualidade de mixagem e produção impecável. Fica o destaque para os vocais de Nata Nachthenxen e para o trabalho da cozinha e guitarras, que passeiam fácil por várias vertentes do Metal do 'Crust' ao 'Hardcore'.

Patologia Sistemática começa o trabalho dando um murro bem dado no seu estômago, o baixo rouba a cena aqui e a variação dos vocais da Nata é impressionante!

O que precisamos? E o que consumimos? Tal questões me vieram a mente com Produtos do Medo, um 'crustcore' nas raízes do estilo, uma das melhores faixas do trabalho, na minha opinião. Sem respirar, Fracasso é totalmente niilista na temática.  Uma das minhas metas de 2020 é ver o Manger ao vivo e me destruir no 'Mosh' que esse som deve causar.

Caminhos de Ferro ganhou clipe e é uma bela demonstração do que a banda é capaz em menos de dois minutos, é uma faixa mais 'crossover' que deixa um cenário de terra arrasada. A trinca que vem a seguir é simplesmente uma das coisas mais brutais que ouvi ano passado. Hostil, trata-se de uma regravação de uma faixa do trabalho anterior, mas que casou bem na posposta do novo álbum. Desmascarando Mentiras tem ares de 'Death' Metal que me arrancaram um sonoro: Puta que pariu, que lindo cara! E Prefácio vem com alguns segundinhos de alívio e depois a violência come solta.

Assim que o trabalho vai chegando ao seu final, a mensagem vai ficando mais clara, que do abismo do caos vem a luz para uma nova esperança, e é isso que é demonstrado em Há Tempo para os Sonhadores que é uma ponte perfeita para A luta como Cura. A participação de Caio Augusttus (Desalmado), me passou a sensação de um grito de guerra para nossa liberdade, que só vira com a união e como o próprio título sugere, com luta! 


O trabalho no total tem menos de vinte e cinco minutos, mas a mensagem ficará gravada em você por um bom tempo. E não seria esse o papel da arte? Um trabalho necessário! Em nome de toda equipe Underground Extremo, quero deixar registrado o nosso muito obrigado a Manger Cadavre?.

Revisado por Carina Langa.

Dissecando Coletâneas #04: "Raízes Ancestrais: Resistência Pagã"

Nós do Underground Extremo compartilhamos da opinião desse manifesto, por uma resistência a visão cristianocêntrica, e por meio desse Dissecando Coletânea, reafirmamos nosso apoio a aliança formada pelas bandas de 'Black' Metal latino-americanas.

No final desse texto você encontrará o 'link' do Bandcamp para ouvir a coletânea e também ler o manifesto na íntegra:


1) Agnideva - Virgin Mother Crone: Tempos sombrios exigem que a horda Agnideva apareça para confrontar todos os moralismos. Esse som é um dos meus favoritos da coletânea e é perfeito para apresentar a horda para quem não a conhece, como também, para entender a sonoridade da mesma. Um clima épico se deflagra, faixa presente no trabalho "Kaliseva" de 2017.

2) Dark Paramount - Arokawa: Uma das hordas que apresentam duas músicas na coletânea, o que é muito válido devido a sua jornada no Metal Negro. Levantando a bandeira dos ritos antigos desde 1993, essa faixa foi lançada no trabalho "Reverence" de 2002. Note como a musicalidade da América Andina já era explorada pela horda a bastante tempo e como se enquadra bem na proposta musical.

3) Dark ParamountNoite de Sabá: Um verdadeiro hino para quem admira o 'Black' Metal Nacional! Impossível não ceder aos encantos de uma noite de Sabá. A presença de tal música nessa coletânea só engradece o manifesto.

4) Katari - Raise the Unancha: O EP "At Peace" na época que foi lançado, chamou muito a atenção por apresentar um 'Black' Metal cru e fiel as raízes do estilo. Caso não conheça essa horda, espero que a coletânea faça você buscar esse material. Não tenho muito o que dizer, é um trabalho seminal  do 'Black' Metal Sul Americano.

5) Katari - Black Metal Thorns: Mais um ataque desses Peruanos. Dessa vez, a faixa presente no trabalho "Ave, Rex Ivdaeorvm!" que foi lançado ano passado, é muito bom ver que com o passar dos anos eles não perderam a agressividade em sua proposta. Vale ressaltar que eles estão anos-luz a frente dos supostos 'Black' Metal noruegueses, que se preocupam mais em passar pó na cara do que fazer música suja, rápida e agressiva como essa aqui.

6) MiastheniaAntípodas: Já tive a honra de entrevistar a banda, ao lado dos meus amigos do Urussanga Rock Music. Na época da entrevista, "Antípodas" tinha sido recém lançado e já afirmava que esse era um dos melhores trabalhos da banda. Anos depois, reafirmo essa fala, basta ouvir a faixa título para ter a ciência do poder do seu 'Pagan' Metal.

7) Morcrof - Portae Ex Solis Sursum Aquilonem: Música que foi o single do trabalho "Codex  Gnosis Apokryphu .:.  Portae. Ex. Solis. Svrsvm Aqvilonem .:".  O 'Dark' Metal com forte acento filosófico do Morcrof merece ser mais reconhecido, é uma banda única e com um som que irá te fazer refletir.

8) Ocultan - Exu Lord Of Fire: Dispensando apresentações, o Ocultan é uma das maiores hordas do Metal negro produzido na América do Sul. Se você procurar aqui no site, irá encontrar resenha de alguns de seus trabalhos, o que só comprova o que afirmamos acima. Claro que com essa representatividade a banda aparece com dois sons aqui, o primeiro faz parte do trabalho "Nexion Chaos".

9) Ocultan - Father Of The True Ligth:  Este som está presente no trabalho "Quintessence", na nossa opinião um dos melhores lançamentos da banda. Leia nossa resenha no link: http://www.undergroundextremo.com/2018/10/ocultan-acima-de-tudo-metal-negro.html e entenda o porque dessa opinião.

10) Primordial IdolAncestrais:  A horda paulista debutou na cena em 2001 com Rebellion War, essa faixa que faz parte do trabalho "Solitude" de 2019. Estamos diante de mais um hino profano que, como poucos, funde melodia, técnica e agressividade. Pode parecer bairrismo, mas é na verdade uma contestação, o Metal Negro brasileiro está em outro patamar.

11) Profane SoulsAlmas Profanas: Em busca de negros conhecimentos que nos foram negados... Profane Souls é uma horda que formou se no Mato Grosso do Sul e acabou migrando para o Paraná. Esse som está presente no trabalho "Unraveling the Mysteries of Darkness", onde a banda começou a apresentar sons em inglês. Esse trabalho foi lançado em 2013.

12) Sangue Antigo - Portadores da chama eterna: O 'Black' Metal tem uma estética de estar acima de qualquer dogma ou posicionamento religioso e dessa ideologia formou-se o Sangue Antigo no outono de 2012. Esta horda lançou duas 'demos' e em 2017, um 'Split' ao lado do Aurora Ancestral.

13) Vuduzebu - Esú Ota Orisa: O terreiro está aberto para a celebração a 'Exu' da forma mais profana possível. O Vuduzebu tem uma atmosfera bem ligada ao 'Death' Metal, o que faz ela se diferenciar na coletânea. Não os conhecia, mas já estou a procura do material deles para poder resenhar.

14) Vultos Vocíferos - Rex infernus/o Crocitar dos Corvos: A última horda, encerrando a coletânea, se apresenta com duas músicas. O Vultos Vocíferos sempre defendeu seus ideais obscuros. Formada no ano de 1999, foram responsáveis por um 'opus' que marcou a cena do metal negro, falo do "Sob a face oculta". Os dois sons dessa coletânea, estão presentes no trabalho "Aeterno Rex Infernus", um dos melhores lançamentos de 2019. 


Mundo Underground #17

Hail Headbangers! Vamos apresentar um pouco mais da cena do Metal 'Underground' em torno do Planeta,  pois é chegado o momento de conferir Mundo Underground #17.

1) Existench - Canadá ('Grind')

Formada no ano de 1996, com uma discografia grande, seu primeiro EP foi o "Divisions" de 1998. A partir daí, rolaram alguns 'split's' até lançarem em 2000 o primeiro 'full' "Blood Money". Depois foram mais alguns 'split's' sem cessar até 2002 com um trabalho lançado com o Disco Inferno.
Voltando em 2015, a banda não pára e o mais legal é que eles vão estar lançando em breve “Freedom Enforcement”. Para quem gosta de metal extremo que passa pro várias vertentes essa é uma boa indicação, confira:


2) Damaged Impurity - Indonésia ('Death'/'Grind')

Com a separação da banda Brutal Death, surge a nova podridão da Indonésia o Damaged Impurity, depois de lançarem uma 'demo' em 2012 a banda prepara um álbum, o "Eyes of Hypocrisy", que infelizmente, até agora não foi lançado.
Tiveram algumas mudanças na formação original, afinal de contas, 'underground' é 'underground' em qualquer lugar do mundo e as dificuldades são as mesmas! Mas, importante é que agora em 2020 eles finalmente conseguiram lançar um EP batizado como "Superman", que faz referências a escola de filosofia alemã de Friedrich Nietzsche.


3) Fabula Rasa - Alemanha ('Power'/ 'Folk')

O power metal vem passando por uma renovação dentro do estilo, algumas bandas vem agregando mais peso outras incorporando outros elementos. Então as novas formações sabem do desafio que encontrarão! Por sorte, o Fabula Rasa se enquadra nesse time, em seu EP de estréia "Through the Molten Eye", apresentam um leque de influências muito bem vindas, como o uso de violinos e os vocais que são poderosos como o estilo pede. 



4) Swamp Coffin - Inglaterra ('Sludge'/ 'Death')

Fãs das formações mais estranhas e pesadas do 'Sludge', preparem-se para ter mais uma banda no seu coração cheio de lodo! Pois o Swamp Coffin é tudo aquilo que os fãs esperam! No seu EP "Flatcap Bastard Features" é possível notar umas pegadas de 'Death' Metal na sonoridade, som pesado! Muito, por sinal, não deixe de conhecer. 


5) Zaderic - México ('Progessive' 'Death'/'Doom')

Uma das bandas mais originais que venho ouvindo atualmente! O mais impressionante é que estamos diante de um duo, composto por Denis Garibay (baixo e vocais) e Sami Villareal (bateria e vocal). As passagens para o 'doom' metal nesse registro são impressionantes, é possível perceber toda essa viagem musical no seu 'debut' de estréia, batizado como "Inheriting the Decadence".


Revisado por Carina Langa.

Notas Extremas #62

Hail Headbangers! Vamos começar a semana atualizando nossos leitores do que ocre na cena do Metal Nacional com o 62° das Notas Extremas.

1) HellgardeN assina com gravadora internacional para lançamento do primeiro álbum

A banda HellgardeN, formada em 2017, acaba de fechar contrato com a gravadora Brutal Records, dos Estados Unidos. Através dessa parceria com o selo norte americano, anunciaram o lançamento do primeiro álbum, intitulado “Making Noise, Living Fast”. Que contará com lançamento mundial.

Gravado diretamente na fita, no estúdio ForestLab Studios com o produtor Lisciel Franco, em Petrópolis, no Rio de Janeiro, o grupo soltou toda a sua energia em cada uma das músicas, começando pelo 'single' chamado Learned to Play Dirty, lançado em 2019.

"Estamos muito ansiosos para esse lançamento. São oito faixas gravadas em fita, estilo mais old school, em que entregamos toda nossa energia dentro do estúdio. Quem ouvir irá sentir. Aguardem, que o som está foda! Foi um trabalho árduo. Fizemos toda a parte de composição dentro dos ensaios. E termos assinado com a Brutal Records, muitas portas vão se abrir para nós tanto para uma tour pelo Brasil e, futuramente, pelo exterior”, diz o vocalista Diego Pascuci.


2) Anguere: Oficializando Data de Lançamento

No dia 03 de fevereiro de 2020 será lançado o EP "Castigo", tanto na forma física, como nas mídias sociais da banda. Também estará disponível nas plataformas digitais com a parceria do selo WTF Records. De acordo com os músicos: Esse novo trabalho conta com 4 faixas e a nova formação da banda, sendo um novo começo e uma nova influência que se agrega com a chegada do novo integrante.
Em breve presente no nosso quadro Dissecando EP's. 


03) Inner Call: Definidos título e gravadora do segundo álbum.

A banda baiana de 'Heavy' Metal Tradicional Inner Call, segue em ritmo acelerado no processo de gravação de seu segundo álbum, o terceiro trabalho da banda.
O título já está definido, “Leviathan”, que é o segundo single do álbum e em breve o 'lyric' vídeo será disponibilizado para audição.
Inner Call foi incorporada ao 'cast' da Under Machine Records e TheMetalVox Records e o lançamento do álbum está previsto para final de fevereiro/2020.


4) Thrash Terror: Vocalista fala sobre o 'single' Deliver us to Metal

Em 2007 a Thrash Terror lançou o EP "Delivering To Metal", que abriu portas para a banda fazer vários shows por São Paulo. Entre suas quatro músicas, Deliver us to Metal representava muito bem a proposta do grupo que, em 2018, incluiu esta música no segundo EP "We Shall Revenge".

Já com boa bagagem na cena 'underground', em setembro de 2019 o quarteto formado por Walter Nascimento (vocais), Nelson Freitas (guitarras), Luis “Toninho” (baixo) e Jefferson “Jeff” Romão (bateria) resolveu relançar Deliver us to Metal como 'single'. O lançamento foi feito como 'lyric' vídeo no canal do YouTube da Thrash Terror.

“A música ‘Deliver us to Metal’ fala sobre a força do heavy metal, quem curte nunca desiste e quem ouve é feito refém, se torna uma criança da rebelião e se entrega ao metal”, define Walter.


5) Hellway Patrol representa o metal brasileiro em turnê pelos Estados Unidos e México

No dia 24 de janeiro, a banda londrinense Hellway Patrol inicia a turnê de 16 datas pelos Estados Unidos e México. O 'power' trio, formado em Londrina (PR) no ano de 2017 e integrado atualmente por Ricardo Pigatto (vocal e baixo), Netto Pavão (bateria e backing vocals) e Thiago Franzim (guitarra e 'backing vocals'), está em processo de pré-produção do próximo álbum e apresentará o repertório inédito em 15 cidades nos estados da Califórnia e Nevada, além da cidade de Tijuana. A turnê pela América do Norte se encerrará no dia 9 de fevereiro em Los Angeles.

Antes, a banda se despede temporariamente dos palcos brasileiros com uma apresentação em Londrina no dia 19 de janeiro, quando abrirá, ao lado do grupo Absolva, o show do vocalista Blaze Bailey (ex-Iron Maiden) em sua cidade natal. O evento é parte da X Factor - XXV Celebration Tour.


Revisado por Carina Langa.

Dissecando Coletâneas #03 - "DSBM Brazil" - Vol II

Hail Headbangers! Não faz muito tempo, nós dissecamos aqui a coletânea "DSBM Brazil"- Volume I, visando sempre promover a cena mais lúgubre do Metal Negro, chegamos agora no segundo volume da coletânea, onde as bandas apresentam sons exclusivos! Para esse registro, é claro, como já tornou-se marca registrada desse quadro, iremos dissecar o trabalho faixa a faixa.


01) Midnight Loss - Desbotado e Distante:  Um duo que sabe-se lá porque eu não conhecia, mas conhecendo-os e  já nessa música, conseguiram minha admiração. Muito a isso é devido as suas influências latentes de Nocturnal Depression, Debotado e Distante pode ser ista como uma continuação de Nostalgia de tão perfeita que é essa composição.

02) Noirgale - Fim:  antigo projeto do musico do Angustifolia, um DSBM com forte influencia do Black Metal escandinavo como os vocais mais a fundo e bases hipnóticas, se você ouvir essa coletânea em fone de ouvidos que e a melhor forma ira viajar

03) Solidão-  último ato:  pouco mais de dois minutos, o último ato é simplesmente uma despedida, com um fatídico final os vocais de Agares são outro ponto de destaque.

04)Abisma - O silêncio:  O peso do Abisma é impressionante um dos melhores projetos de DSBM brasileiro, isso porque é nítida a forma como a música passeia por estilos dentro do metal negro.

05) Antissocial - E Entre passos, ruínas:  Projeto que vem da capital federal, lançaram um EP ano passado que infelizmente não conhecia senão fatalmente estaria na lista de melhores do ano, pois o som que executam é o supra sumo do meu gosto por DSBM , ganharam um fã.

06) Drugs Save Us - Desequilíbrio químico: Poucas projetos conseguem fazer a trilha sonora da demência, o Drugs Save Us tem um trabalho perturbador no melhor sentido da palavra, apresentando ao longo dessa fiaxa um trabalho de vocais agoniantes e um belíssimo instrumental.

07) Sweet Torment - Sick Heart: Um dos projetos que vai mais na linha do Black Metal tradicional seja pela suas guitarras características até pela variação de vocal, lembro que na primeira coletânea elogiei o fato de materiais assim nos apresentarem novas bandas e isso se repete aqui, Sweet Torment é um nome que iremos ficar de olho.

08) Abyssal Pain - The Cold Winter Involve My Sorrow: tudo aqui soa como se tivesse sido gravado em algum porão da Escadinávia nos anos 90 e sim isso é um baita elogio, os vocais poderiam ser um pouco mais sombrios, mas acredito que isso sera alcançado em breve.

09) Le Délire des Négations- A Deep Melancholy... (expendable morning) projeto formado no inverno de 2017 , com um instrumental frio que leva a mudanças de andamentos muito bem trabalhadas, e mais um destaque para a agonia que vai crescendo nos vocais ao longo das faixas.

10)Allonair - Life Was Meant to Die: Twice Lophrano é o mastermind por tras desse projeto, essa musica em si tem uma belissima introdução e a medida que a m´sucia vai crescendo com a entrada dos vocais, o ambiente muda de aura ficando mais frio e sorumbático.

ASAH - Plaisir Interdit:  Abyssic Sadness and Hate: duo internacional com musico da frança e do Brasil no caso Recife, o ASAH me remeteu ao grandioso Uaral principalmente no timbre das guitarras

Solstitium - Forests, Dark Whispers: finalizando a coletânea o Depressive Black Metal acústico do Solstitium, faixa que batiza o EP lançado em 2016 , não sou fã de formatos acústicos mas esse me surpreendeu pela forma que se molda no som nos transportando imediatamente para uma floresta negra.


A coletânea DSBM Brazil - vol II nos prova que o Brasil é um celeiro de músicos extremamente talentosos e que por trás dessa aura de alegria e cordialidade do brasileiro existem  almas atormentadas e mórbidas.




Resenha Especial: Iron Maiden - Afinal, Virtual XI é tão ruim assim?

Aproveitando a vinda do Ex-Maiden, Blaze Bayley, em uma turnê pelo Brasil, que irá passar por Santa Catarina, nossa equipe decidiu ouvir os dois trabalhos gravados por ele que são "X Factor" e "Virtual XI". Enquanto o primeiro passou no teste do tempo, sendo considerado por muitos como um excelente trabalho do Iron Maiden, com elementos bem sombrios, o segundo é visto como um ponto baixo da discografia, odiado por nove entre dez fãs da donzela. Mas afinal, ele é tão ruim assim?


Bem, sim e não! Ouvindo o trabalho, dá para dizer que, sem colocar ao lado de obras como "Powerslave" ou "The Number of the Beast", ele apanha e apanha feio, só que por um momento, esqueça o logo que estampa o CD e o ouça como uma outra banda. Sim, é difícil, mas vamos tentar.

Futureal abre o trabalho e não é uma música ruim não, repetitiva talvez, pois tem um refrão que fica na cabeça por dias. The Angel And The Gambler tem uns solos bem 'rock' que ficaram interessantes, só que a música peca pelo tamanho, sabe aquele filme que se tivesse meia hora a menos seria perfeito? Aqui vale esse princípio, se a música não se repetisse tanto...

Lightning Strikes Twice é uma música perfeita para o Blaze cantar, ele até demonstra poder cantar em tons mais altos, mas claro, nada próximo ao Bruce. Essa faixa em si me mostrou uma pegada meio Judas Priest. The Clansman figura no 'set' até hoje, ela é perfeita! ... A faixa que vale o álbum, sem mais.


When Two Worlds Collide parece uma música que poderia estar em "X Factor" devido o seu clima sombrio e o aumento gradativo da canção. The Educated Fool tem linhas de guitarra e composição bem definidas no modelo da banda, é uma faixa que Blaze, mais uma vez, mostra esforço e até mesmo um vocal mais agressivo, linha essa que ele levaria para sua carreira solo.

As duas últimas faixas Don't Look To The Eyes Of A Stranger e Como Estais amigos, são bem originais, as duas apresentam uma dose de melancolia, que se enquadram ao final da obra. 

Talvez o Diabo, ou no caso o Eddie, não seja tão feio como se pinta e não, não estamos diante de um trabalho inesquecível, mas também não merece o obscurantismo que "Virtual XI" sofreu. Fica a indagação - qual grande banda nunca realmente errou? Que atirem os seus 'Load' e 'St Anger' quem discordar.


Revisado por Carina Langa.

Mundo Underground #16

Hail Headbangers! Vamos conferir um pouco mais de como está o 'Underground' a nível mundial. Nesse quadro, apresentamos bandas vindas diretamente da Europa, América do Sul e América do Norte:

1) Iron Strike - Colômbia

Formada em 2017, essa banda conta com A. Werewolf no baixo e vocais, Melissa Perdomo na bateria e Hellrazor nas guitarras. Esses dois últimos entraram na banda ano passado, até o momento eles tem apenas um trabalho lançado Symbol of Unholy Power, que apresenta uma pegada 'speed'/'thrash' sensacional.


2) Enlightened - França

Tocando metal progressivo com influências muito distintas, principalmente caída para área mais sombria e pesada. Lançaram seu primeiro EP em 2011, sendo que a estréia de "Discover The Path" veio em 2013. No ano de 2015 lançaram mais um EP, batizado como "Until the End". Porém, seu melhor registro, na minha opinião, veio com "The Healing", um excelente trabalho lançado ano passado (2019) e que pode ter passado despercebido, mas confira aí na sequência se você curte um 'prog' mais pesado com influências do Katatonia atual.


3) Timeless Haunt - EUA

Formado em 2018, a idéia original era montar uma banda de Metal Sinfônico com passagens por metal melódico, só que o som foge do senso comum, abordando elementos mais pesados nas suas letras. Você pode conferir essa proposta no EP "Haunted Symphony", lançado ano passado (2019). 


4) (Psychoparalysis) - Finlândia

A Finlândia é o país com maior número de bandas por habitantes, então para fazer sucesso nas terras frias do norte, a banda tem que ter algo a mais e acredito que (Psychoparalysis) tem esse diferencial necessário. Sua sonoridade é 'Death' Metal com elementos melódicos ora progressivos, ora indo para o 'groove'. Formada no final de 2009, depois de terem passado por três demos foi lançado "Human Disposition" em 2013, uma obra grandiosa que tem que ser ouvida muitas vezes para se captar todos os detalhes apresentados. O Trabalho mais recente da banda é o single Alethophobia, de 2019.


5) Forklift Elevator – Itália

Uma banda com bastante diferencial da cena italiana. Formada em 2009 como uma banda cover foi depois de algumas mudanças de formação que a banda se estabilizou, chegando ao seu 'debut' "Borderline" com forte influências de 'Groove' Metal. Mais mudanças na formação, até que em 2016 é lançado "Killerself", fãs de Lamb of God devem ouvir essa banda!



Revisado por Carina Langa.

Melhores do Ano - (2019) Grind /Stoner

Grind e Stoner são estilos bem diferentes um do outro na sua essência , porém podemos apontar semelhanças pelo fato deles serem extremamente underground dentro do próprio Metal além de serem estilos que crescem cada vez mais na cena do Metal nacional por isso merecem muito destaque, nossa lista desse ano foca cinco de cada estilo, sendo que para 2020 pretendemos aumentar para dez trabalhos de cada subdivisão;



Stoner Metal

05) Void Tripper - Sabbath Worshipping Doom





04) Pantanum – Geographic Animals



03)  Son of a Witch-   Commanded by a Cosmic Force



02) Rope Bunny - Hard Times



01) Pesta – Faith Bathed in blood




Grind

05) Crotchrot – Broxas from Hell




04) Pathologic Noise- Pathologic Noise




03)  Test - Jogo Humano




02) El Santo Asesino – Um reino de caos e morte




01) Insepsy-  Reek of Gore







Melhores do Ano (2019) - Hardcore


Hail Headbangers, a lista de Hardcore é uma novidade no nosso site, mesmo sabendo que esse estilo é muito ramificado, podendo aparecer aqui bandas que vão para o caminho do Thrashcore, até o Crust, mesmo assim decidimos divulgar trabalhos que marcam seja pela sonoridade seja pela mensagem em suas letras identificando como sempre o Hardcore como a música de protesto.




10) Statues on fire - Living in Darkness




09) Backdrops falls - There no Such Place as Home



08) Questions - Libertatem!



07) Malvina – Hybrid War


06) Boca Braba – Resistir É  Compromisso



05)  Ação Direta - Na cruz da exclusão



04) Putra Br - Better days will never come



03) Dead Fish – Ponto cego



02) Manger Cadavre? – AntiAutoAjuda


01) Surra-  Escorrendo pelo ralo





Proxima  → Página inicial

Total de visualizações

Baphomet

Baphomet

As mais lidas

Postagem em destaque

Underground Extremo: O Portal da Música Extrema

Hail Headbangers! Finalizamos 2019 como um ano muito significativo para todos nós do Underground Extremo . Em termo de números, chegamos a ...