Dissecando Eps # 19: Hail the true Metal and fuck all the posers - Living Metal


Tempos  irônico onde estamos  discutindo se o Rock é do demônio, ou coisas absurdas parecidas, por isso  nada melhor do que um dissecando EP que vai na raiz do estilo e deixa bem claro a sua mensagem, um grande vai se foder para todos os posers que infestam a cena, confira agora nosso dissecando EP Hail the true Metal and fuck all the posers da banda paulistana Living Metal.



Se fosse definir esse EP em apenas uma classificação seria até obvio Heavy Metal sim simples assim tradicional, bruto , agressivo sem espaço para modismos, música forjada no fogo e no aço.

Bem e você pensou em Manowar está certo é uma influência sim e a banda não faz questão nenhuma de negar isso mas não é a única pois os caras são especialistas em Metal Tradicional ,com passagens que remetem a Saxon , Diamond Head entre tantos outros, então pegue uma cerveja gelada prepare seu pescoço e vamos ao EP:

Estamos diante de um chamado para guerra "Are You Ready For Metal?"  Sim estamos, então  tome "Living for Metal" bases cavalgadas no melhor estilo Iron, com aquela levada de guitarra que da pra imaginar sendo cantada em arenas lotadas e como a própria musica diz com os punhos erguidos ao ar.

"Fire On Two Wheels"é  um dos momentos mais agressivos com o cheiro de gasolina e som de motores tente ouvir essa musica e não bangear, isso sim é metal tradicional , tomara que os caras do Hammerfall ouvissem isso ....quem sabe aprenderiam alguma coisa

"Back To The 80’S” dispensa qualquer apresentação, notei que tem um acento de hard rock aqui, o que torna a faixa bem viciante. Agora pense rápido o que não pode ficar de fora de um trabalho de uma banda de true Heavy Metal? Se respondeu um ode ao metal , você acertou meu caro discípulo do aço "Hail! The True Metal (Will Never Die)”. A quebra de andamento para a entrada do dedilhado é arrepiante, não vejo a hora de assistir eles ao vivo, clichê não nostálgico, morte ao posers e aos fascistas também lógico.



Living Metal é composto por:

Pedro Zupo – vocals
Rafael Romanelli – guitar
Jonas – guitar
João Ribeiro– bass guitar
Jean Praeli – drums



Mundo Underground # 16

Hail Headbangers, chegou o momento de conhecer um pouco mais dos porões Extremos  do Underground Mundial confira mais seis espalhadas pelo Mundo:

1) Í Myrkri (Dinamarca) Duo novo formado nesse ano , composto por Simon Gardarsson – todos os instrumentos e  Lane Chaplin do Armorer nos vocais, criando juntos uma musica obscura densa com varias influencias de Ambient Black Metal. Seu trabalho de estreia é no formato de k7 com pouquíssimas copias: Black Fortress of Solitude




2)Cazador Nocturno (Costa Rica) Heavy Metal tradicional cantado em Espanhol, inicialmente um projeto entre amigos no ano de 2007 que depois foi ganhando força e nesse ano de 2019 debutaram com um full intitulado: "Al fin del tiempo" atualmente a banda é composta por: Daniel Ramírez (Bateria).Allan Lacayo (Guitarra),Raúl Rojas (Guitarra),Dennis Hernández (Vocal).



3) Horse Power Overload (Itália)  Banda formada no ano de 2009, pode ser classificada como da vertente do Heavy Metal mais moderno super indicadda para fãs de Godsmack e Disturbed por exemplo. Você pode conferir o som da banda em dois trabalhos, o primeiro é o EP auto intitulado lançado em 2013 e seu mais recente registro o full : I Am de 2019.



4)Northwar (México): Muito interessante a proposta dessa horda quem vem do México, pois eles apresentam uma sonoridade calcada no Black Metal com passagens mais sinfônicas só que em nenhum momento abdicam do peso, seu primeiro lançamento full saiu em 2019 e atende pelo nome de Blood Moutains um trabalho forte que deve fazer a banda crescer muito no cenário, super recomendado

5) Cygnus Atratus (Bélgica): não é sempre que indicamos bandas de Power/Prog Metal por aqui, porém o trabalho desses Belgas se destaca pela qualidade profissionalismo do grupo, formados no ano de 2013 com o nome de  Omega Xentauri até 2015 quando se rebatizaram para Cygnus. Formada atualmente por: Benny Vercammen (Baixo), Tom Tuypens (Bateria), Erik Callaerts (Guitarras), Anke de Raes(teclados) e Iris L'or (Vocais). Confira o trabalho de estreia da banda: The Empyrean Heaven



6) Acrassicauda (Iraque): Todo Banger que assistiu o documentário Heavy Metal em Bagdá,  conhece essa banda que é dita como um dos primeiros nomes do estilo no país que passa por uma situação politica no minimo trágica.   Com a acusação de serem adoradores de satã a banda acabou se mudando para a Turquia e depois para o EUA com o status de refugiados. Por toda a bagagem e garra  normal que seu trabalho chame a atenção então começaram com o EP: Only the Dead See the End of the War e no ano de 2015 Gilgamesh, onde apresentam um thrash metal que vai do mais tradiciona para passagens mais modernas, atualmente formado por: Faisal Mustafa(Vocal), Maarwan Hussein(Bateria), Firas Abdul Razaq(Baixo) e Moe Al-Ansari(Guitarras)



Resenha: Faith Bathed In Blood - Pesta


O Pesta é uma banda que demorei muito tempo para descobrir, por isso que essa resenha vem para prestar tributo a uma dos trabalhos que mais venho ouvindo nesses últimos dias, é na verdade assustador que no seu segundo trabalho , "Faith Bathed In Blood" eles tenham atingindo tal maturidade provando que são uma das melhores bandas de Stoner/Doom do Brasil.

Ficava a duvida se isso erai apenas uma boa estreia ou se o segundo trabalho seria uma evolução e por sorte podemos afirmar que sim a banda evoluiu , amadureceu com uma pegada mais sombria nas letras e principalmente na parte musical. 


O trabalho se incia com "Witches' Sabbath" que pelo nome não nega suas influências com uma base que tem tudo para deixar o Senhor Iommy orgulhoso de seus discípulos, além do vocal de Thiago Cruz totalmente vintage, sombrio vindo diretamente dos anos setenta.

"Anthropophagic" consegue ser ainda mais obscura , com destaque para a cozinha que mantem a pegada em uma constante muito legal, "Hand of God" é minha favorita que levada arrasta quarteirão e que refrão meus amigos , aqui já estávamos diante de um dos melhores discos do ano , e só to na terceira faixa.

A audição completa do trabalho no s revela algumas outras surpresas como o belíssimo dedilhado de "Blood Mists" ou o lado mais doom aflorado em sons como "Moloch's Children" e"The Prayer, e não poderia deixar de citar "The Myth Of R'lyeh"

Se você não conhece nenhum som do Pesta comece logo por essa e será sintomático que assim como eu você se tornara fã da banda.

Uma produção limpa que ajuda a amnter o timbre de todos os instrumentos e uma capa belíssima, credenciam o Pesta como um dos grandes nomes do Metal Underground brasileiro, confira. 



Faixas:

01 Witches' Sabbath

02 Anthropophagic

03 Hand Of God

04 Blood Mists

05 Moloch's Children

06 The Myth Of R'lyeh

07 Thulsa Doom (instrumental)

08 The Prayer


Formação:

Thiago Cruz (vocais)

Anderson Vaca (baixo, backing vocals)

Daniel Rocha (guitarra)

Marcos Resende (guitarra)

Flávio Freitas (bateria)

Hibria e The Damnnation: Renovações no Metal Nacional


Essa semana os Headbangers foram presenteados com duas grandes novidades na cena do Metal Nacional o novo clipe do The Damnnation e um novo lyric vídeo do Hibria mostrando novamente o óbvio os músicos brasileiros são fantásticos e o Metal contra tudo e todos mantem se vivo confira mais detalhes desses lançamentos:

Hibria : Depois de um período tumultuado, o Hibria mostra que não irá abaixar a cabeça, o agora reformulado grupo gaúcho apresenta o seu primeiro single "Fearless Will", é até obvio que o único remanescente da formação original Abel Camargo (guitarras) iria recrutar músicos de extrema qualidade, faltava saber se a química estaria ali presente e então esse primeiro som deixa as melhores expectativas. Contadno agora com o já citado Abel Camargo temos: Bruno Godinho (Guitarra), Alexandre Panta (Baixo), Otavio Quiroga (Bateria) e Victor Emeka (Vocal).

A música em si é um  é um misto da sonoridade já típica  com aquela pegada Power Metal tradicional, com pequenos toques de modernidade, destaques para os vocais de Victor que não tenta emular Iuri (vocalista anterior) o que lhe dá muita personalidade e Alexandre Panta ...um monstro, ainda não consegui esquece o refrão dessa música , de tão bom que tá isso aqui. 


Por outro lado o The Damnnation é uma banda relativamente nova formada por Renata Petrelli (guitarras e vocal)  Cynthia Tsai (Bateria) e Camis Brandão(baixista) musicistas já com uma jornada no Underground que únicas agora mostram uma nova faceta, com um som livre de amarras de rótulos e muito mas muito pesado, e para começar já com o pé na porta lançaram um vídeo clipe muito legal para a música World's Curse.

O som chama atenção pelo groove, e pela estreia de Renata nos vocais , quem já tinha conferido o single sabe o potencial desse power trio, confira nossa entrevista no Link:



Resenha: Itankale - Quilombo


Hoje, 20 de novembro, para os conhecedores de História é sabido que “comemora-se” a Consciência Negra que é uma expressão que designa a percepção histórica e cultural que os negros têm de si mesmos e também representa a luta dos negros contra a discriminação racial e a desigualdade social.

Esta data foi escolhida por ter sido o dia da morte do líder negro Zumbi, que lutou contra a escravidão no Brasil
A celebração relembra a importância de refletir sobre a posição dos negros na sociedade. Afinal, as gerações de afro-brasileiros que sucederam a época de escravidão sofreram (e ainda sofrem) diversos níveis de preconceito. 



Aqui no Underground Extremo queremos mostrar nosso apoio a banda paulista QUILOMBO que está novamente adjunta a família Sangue Frio Produções e recentemente lançou o EP intitulado “Itankale”, trazendo a visão de toda a história da vinda do povo Africano ao Brasil, como escravos, durante e após o cativeiro e sua realidade atual, e essa perspectiva abordada, foi escrita por mãos negras e contada sob tons de Death Metal e Grindcore.

O conceito desse álbum representa a evolução do povo negro considerando o seu passado, seus ancestrais e sua cultura, conta a visão dos descendentes daqueles que sofreram com a escravidão.

A banda é um duo composto por Panda Reis na bateria e vocal, e Allan Kallid na cozinha.
Mesmo sendo um EP com uma duração de menos de vinte minutos, fica evidente que o Quilombo tem muito a dizer: cânticos africanos abrem a faixa “Melanina”, a produção de todo o EP é suja fazendo uma mescla entre Death Metal e Grindcore, as guitarras não fazem a questão de ser harmônicas e destilam uma dose de peso a mais nas letras.

"Ancestralidade" reduz um pouco a velocidade, me trazendo a memoria alguns discursos do Barnes do Napalm Death, já Treze Nações começa com ares de uma faixa perdida do Roots e vai logo para uma pegada Death, as intro ainda estão presentes nas faixas "Descendentes de Reis" , "Semideusas" (um arrasa quarteirão com trabalho de guitarras mais afiados) e "Diáspora d.C" com uma passagem inicial de reggae que converte se em um dos momentos mais extremos do EP

Em tempos difíceis se omitir não é uma opção e bandas como O Quilombo deixa claro que o Underground não é lugar para racistas.



Dissecando EPs #18: Kinky Blues - Rope Bunny


Foi no Maniacs Metal Meeting de 2018 que eu conheci o  instrumentistas Roberto Scienza, além de excelente músico o cara é muito gente e boa e me presenteou com o seu EP “Kinky Blues que por pura incompetência minha não tinha sido resenhado aqui mas vou pagar essa divida, pois o que temos aqui é uma “One Man Band” visceral, e confesso se não tivesse visto ele fazendo tudo ao vivo teria serias duvidas que estamos diante de uma banda de um Homem só. 


Abrindo o trabalho temos "Mistress" com uma levada Stoner quase Doom, só que os vocais são mais sujos até o momento que temos uma levada de riffs na melhor escola Iommy , uma música que vai crescendo e quando você vê já esta envolvido na proposta do trabalho. 

"Kinky Blues "é perfeita para tocar nas rádios rock, espalhadas pelo mundo todo, o vocal tem uma malicia no cantar e a linha de guitarra vai alterando até chegar no refrão que gruda na cabeça fácil, e ainda de brinde tem um passagem de gaita, lembra Sabbath o que é sempre muito bom.

"Another Heavy Night” é quase um interlúdio, uma musica com uma pegada blues / country irreverente , pena que é um som curtinho com menos de dois minutos mas e aquela musica que te faz querer cair na estrada.

"Venus in Furs” te engana com um dedilhado mas logo a distorção toma conta com uma pegada bem pesada, me impressiona os vocais aqui que estão sussurrados, com muitos efeitos que foram usados de forma bem correta para dar um charme especial para a música, até a sua crescente final. "Grinnin in Your Face” é uma versão da musica de Son House, aqui ele mantem o felling e a pegada dos vocais que são os destaques desse EP. 

Kinky Blues, é um som perfeito para um pós show ou para tomar uma ceva gelada, já tive a chance de falar pessoalmente para o Roberto e repito aqui na resenha o talento dele é absurdo e que venha logo um full. 



Tracklist

1. Mistress

2. Kinky Blues

3. Another Heavy Night

4. Venus in Furs

5. Grinnin’ in Your Face

Notas Extremas # 59


 Hail Headbangers, hora de se atualizar do que ocorre na cena do Metal nacional com as nossas Notas Extremas edição #59

1)  Boca Braba:  lançada versão física do seu novo EP “Resistir é o Compromisso”

A banda gaúcha Boca Braba confirmou que o seu novo trabalho, o EP "Resistir é o Compromisso", já está disponível nas principais plataformas online.
O grupo, que é um dos melhores representantes do referido segmento no país, está atualmente trabalhando no processo de divulgação do referido material, e que será lançado no Brasil através da Alternative Music Records, na sua versão física, no segundo semestre de 2019.

Segue o link abaixo e futuramente no nosso quadro dissecando Eps
Link: https://open.spotify.com/album/1eSjqmprZyL9UZ74Ee8J56


2) Spiritual Hate - Confira performance da banda em vídeo ao vivo de “Ignorance Brought The Decadence”

Em sua recente apresentação no ‘I Outubro Sombrio Fest’, os paulistas do SPIRITUAL HATE levaram um pouco mais da sua performance brutal até Campos do Jordão/SP.
Para mostrar aos seus fãs como foi este evento, o grupo gravou um vídeo para a faixa “Ignorance Brought The Decadence”, quer foi lançado de forma muito bem produzida em suas principais redes sociais, assista:


3) Manger Cadavre?, No Rest, Vasen Käsi e Warkrust Unindo forças em novo split 4 way

Em tempos sombrios, somente a mobilização pode inflamar um povo no sentimento de retomada dos direitos que estão sendo usurpados. Converter em chamas as ideias conservadoras e reacionárias. Sair da apatia. Colocar fogo. Lutar.
Com o mesmo sentimento, o de necessidade de posicionamento e mobilização, as bandas Manger Cadavre?, No Rest, Vasen Käsi e Warkrust se reuniram para lançar um split 4 way. Diferentes vertentes do crust, diferentes abordagens, uma só mensagem.

O trabalho tem previsão para lançamento físico no começo de novembro e sairá pelo coletivo de selos Helena Discos, Electric Funeral Records, Crust Or Die Collective, Distro & Label, Xaninho Discos, Underground Storm Records, Vertigem Discos, Poeira Maldita Recs, Terceiro Mundo Chaos e Brado Distro
A arte ficou a encargo de Marcelo Augusto, guitarrista da Manger Cadavre?

Nem precisa dizer que tal trabalho irá aparecer nas nossas próximas postagens fiquem de olho.


4) Drowned: ‘By The Grace Of Evil’ relançado em digipack com bônus

Celebrando os 15 anos de seu lançamento, o DROWNED em parceria com a COGUMELO RECORDS estão colocando no mercado uma versão especial, luxo, do álbum ‘By The Grace Of vil’, um dos álbuns mais elogiados da vitoriosa carreira dos mineiros.

Além de nova embalagem em digipack, o relançamento traz também, como bônus, o EP ao vivo ‘By The Evil Alive’, gravado no festival de 25 anos da Cogumelo Records.

O material já está à venda nas principais lojas especializadas do país e nos links:
https://cogumelorecords.loja2.com.br/9197554-CD-Drowned-By-The-Grace-Of-Evil
drowned@drowned.com.br
https://www.facebook.com/DrownedMetal/

‘By The Grace Of Evil’ é o terceiro álbum completo do DROWNED e foi lançado originalmente em 2004. Logo após seu lançamento a banda e o discos logos caíram nas graças dos fãs no Brasil e no mundo, onde mais uma vez a mistura única do grupo fez diferença.



5) Mantre Novo single lançado

A banda formada em 2015 por Diego Trindade (voz e baixo), Nonato Matos (bateria) e Lucas Black (guitarra) em Aracaju, que tem como influências o rock alternativo dos anos 90 e o ápice do ano 2000 em suas composições, acaba de lançar em todas plataformas digitais seu mais novo single intitulado "Lobo".
O trio aposta em uma faixa politizada, com críticas sociais e com uma pegada rock urbana, apresentando uma qualidade sonora de alto padrão e de versatilidade.
A música que retrata a insatisfação com o atual cenário político do Brasil, aborda como somos tratados pela classe política brasileira, acreditando desde sempre em falsas promessas. Onde no processo democrático, o povo escolhe pseudo salvadores da pátria, lobos transvestidos em pele de cordeiro, que certamente nos levarão a dias piores, sobre a égide de buscar o melhor para o país, em um conservadorismo exacerbado, nos vendendo armas para uma suposta liberdade.



6) Megaira lança o seu primeiro Clipe: ‘End of a Reign (Begin the Judgement)’

Megaira  acaba de disponibilizar no seu canal de You Tube o primeiro videoclipe da sua carreira. A música escolhida foi ‘End of a Reign (Begin the Judgement)’, penúltima faixa do seu álbum de estreia “Power, Lies And Death” que conta sobre o fim do reinado do Rei Minos de Creta ao ser morto escaldado pelas filhas do Rei Cócalo da Sicília quando estava em busca do seu traidor, o arquiteto Dédalo. Minos vai para o submundo e encontra os irmãos que ele havia assassinado agora como juízes de Hades e é condenado pelo deus a também se tornar um de seus juízes.



Com direção e fotografia assinada por Danilo de França da produtora Studio Dallas e com Juliana Bastos como assistente de Direção e Produção Executiva, o clipe trouxe, em sinergia com a música, extrema dramaticidade, sensualidade e uma fotografia majestosa para narrar a história da morte do rei de Creta.

7) Shadows Legacy: lançado  videoclipe para a música ‘Sea Of Revenge’

Já está disponível o novo videoclipe do SHADOWS LEGACY para a faixa ‘Sea Of Revenge’, retirada do mais recente álbum, ‘Lost Humanity’.
O clipe foi produzido pelo diretor/produtor Kojiroh (https://instagram.com/eusouokojiroh) da empresa Substelar e aconteceu em um dos prédios mais altos da cidade de Campo Grande/MS.
O vídeo segue divulgando o premiadíssimo álbum ‘Lost Humanity’, segundo disco do grupo, que mais uma vez colocou o SHADOWS LEGACY e seu Heavy Metal Tradicional entre um dos melhores lançamentos do Brasil.






Cobertura: Kool Metal Fest

No dia 09 de novembro fui pra São Paulo pra me preparar para o Kool Metal Fest que iria acontecer no dia 10 de novembro, eu moro no interior do Paraná então foi tudo muito diferente e novo o que eu vivi nesse Fest, está lá e ainda por cima representando o Underground Extremo foi muito gratificante!

ESKRÖTA

A banda que abriu o festival foi a Eskröta, eu fui acompanhada de 3 amigas e fomos especialmente para ver elas e também a Nervosa, afinal não é todo role que tem 2 bandas só de minas tocando. Chegamos cedo pra não perder 1 minuto do show e assim que elas subiram no palco o coração deu aquela acelerada, várias gurias em minha volta cantando e chamando pra ir pro mosh além da sensação de revolta contra todo o machismo que ronda a cena. 
Elas tocaram todas as músicas do álbum Eticamente Questionável e também as 2 faixas do Split que lançaram recentemente com a banda Afronta Burn The Poor e Playbosta, na música Playbosta eu cantei com tanta força e ódio porque é uma letra que me sinto muito representada! Elas também chamaram ex-baterista Jhon França que ajudou a banda enquanto a Miriam estava fora do país, para tocar a música Eticamente Questionável. 
No final do show tocaram a faixa Mulheres e chamou todas as minas que estavam presentes pra subir no palco e cantar junto, foi sensacional e memorável, saiu diversos registros lindos que ficarão guardados com muito carinho, o show teve 0 defeitos e eu não vejo a hora de ir em outro!


FOTOS: KUBOMETAL FOTOGRAFIA UNDERGROUND
CEMITÉRIO

A segunda banda foi o Cemitério, com suas letras cantadas em português e inspiradas em filmes clássicos de terror fez a galera cantar junto quase todas as músicas. Foi o terceiro show deles que consigo presenciar e em todos eles você percebe que a presença de palco e o carisma dos integrantes é enorme. O Hugo Golon é muito criativo e canta pra caralho (toca pra caralho também). Eles tocaram faixas do álbum "Oãxiac Odèz" e também do "Cemitério" como as músicas A Volta dos Mortos Vivos, A Vingança de Cropsy e Holocausto Canibal (é meu álbum favorito). Quero fazer um agradecimento especial ao Henrique Perestrelo pela parceria e apoio, você é foda!


 
 FOTOS: KUBOMETAL FOTOGRAFIA UNDERGROUND

SURRA

Surra foi a terceira banda e fizeram a galera agitar já na primeira música, iniciaram o show com a faixa Bom Dia Senhor do novo álbum "Escorrendo Pelo Ralo", que particularmente é a minha favorita desse álbum. Além dos sons do "Escorrendo Pelo Ralo" eles também tocaram faixas do álbum "Tamo Na Merda" como a faixa Daqui Pra Pior que serviu para descarregar todo o ódio da galera pelo governo no mosh haha. Eu gosto tanto mas tanto dessa banda, não sai nem 1 minuto do meio da roda, todo show do Surra serve de descarrego pra mim, além da sensação de pertencimento junto com a galera que tu vê na cara deles que estão sentindo a mesma coisa em estar ali. Meu lugar é em um show do Surra! Eles encerraram a apresentação de uma forma extremamente louca e incrível, jogaram um pato amarelo inflável no meio da galera (quem entendeu a referência entendeu hahaha) que só aumentou a diversão, jogamos pra tudo que é lado além de um pessoal subir nele pra ser erguido, foi uma loucura. Ainda sinto dores no corpo por causa desse show. Obrigada Surra por existir vocês são foda, orgulho de ter vocês na cena nacional! (sim emocionadíssima pelo Surra) 

  FOTO: KUBOMETAL FOTOGRAFIA UNDERGROUND

FOTO: MATEUS SOBREIRA

NERVOSA

Em seguida veio a Nervosa, anos que eu esperava ver elas ao vivo! Que honra ver uma das bandas mais importante do metal nacional e internacional, que inclusive tocarão no Wacken ano que vem, essas 3 mulheres são gigantes e mandaram muito bem no palco, eu fiquei sem palavras. No show delas eu tentei entrar no mosh mas tava em um nível tão foda que eu quase apanhei nas tentativas e decidi ficar de boa pra sobreviver até o Brujeria hahaha. Elas tocaram as músicas do último álbum "Downfall Of Mankid" como as faixas Never Forget, Never Repeat e Raise Your Fist e encerraram com Into Mosh Pit que abriu uma roda enorme com bastante gurias representando. Espero ver novamente elas ao vivo. 


FOTOS: KUBOMETAL FOTOGRAFIA UNDERGROUND

KRISIUN

Krisiun foi a penúltima banda e foi o primeiro show deles que presencio. Confesso que já estava destruída e decidi ficar mais quietinha longe do mosh pra guardar um pouco de energia. Eles tocaram as faixas do último álbum "Scourge of the Enthroned" e também dos álbuns mais antigos como a faixa Kings of Killing do álbum "Apocalyptic Revelation" que foi incrível ver ao vivo. Encerraram o show com a Black Force Domain e eu fiquei hipnotizada com aquela bateria! O show todo me deixou impressionada, outra banda que da orgulho de ter na cena nacional. 


FOTOS: KUBOMETAL FOTOGRAFIA UNDERGROUND

BRUJERIA

Então finalmente chegou a hora de ver Brujeria ao vivo, eles tiverem um atraso e iniciaram o show com uma garotinha bem linda que apresentou a banda. Mandaram sons clássicos como La Migra, Brujerismo, Matando Gueros, Revolución e encerraram o show com o a música Marijuana que é tocada na versão de Macarena. Nesse show eu voltei pro mosh e tive a sensação de estar em um liquidificador haha, a galera tava muito doida nem sei como consegui sair inteira. Tinha uma pessoal que ficava dançando em cima do palco e houve muita interação entre a banca e o público. Eu particularmente esperava um pouco mais do show do Brujeria por ter sido a atração principal da noite, as bandas de abertura foram melhores. Mas de forma geral foi tudo muito legal e divertido.

  FOTO: KUBOMETAL FOTOGRAFIA UNDERGROUND

FOTO: MATEUS SOBREIRA

FOTO: KUBOMETAL FOTOGRAFIA UNDERGROUND
VALEU A PENA

Valeu a pena ter ido, queria voltar no tempo só pra viver esse festival de novo. Parabéns a todos os organizadores do Kool Metal Fest, a todos as bandas e ao público que compareceu em peso e obrigada aos meus amigos que me acompanharam nessa aventura e deixaram tudo mais divertido. Quem sabe na próxima edição eu consiga ir de novo. Agora fica a saudade... Até uma próxima.

Obs: Ei Bolsonaro vai toma no cu! (foi gritado durante o festival todo e merece ser colocado aqui) 




Divulgação de Eventos: Bisho Extreme Fest III


A parceria entre a Bisho Extreme Produções e o Caverna Kilmister vem trazendo bons frutos para os bangers do Sul catarinense, e dessa vez estamos todos convocados para comparecer no Bisho Extreme Fest III que apresentara três grandes nomes do metal extremo o Visceral Slaughter do Amapá, o Scream of Death do Pará e a Deadnation de SC.

O Underground Extremo estará presente, e por isso mesmo aproveitamos para apresentar as bandas que compõem o cast dessa edição

Visceral Slaughter: A tour No gods No Masters chega em Santa Catarina, para algumas apresentações e nossa chance para ver o que o trio composto por: Ariel Casimiro - Guitarra/ Vocal, Fabrício Góes - Guitarras / Backing Vocal e Romeu Monteiro – Baixo pode oferecer ou seja um Death Metal avassalador. Para quem acompanha os porões do Underground deve lembrar do nome Anonymous Hate, pois bem com morte do guitarrista Heliton Costa Coêlho ele decidiram formar um novo projeto com uma ova jornada então assim nasceu o Visceral Slaughter.
Com dois trabalhos na bagagem até o momento impossível não dar o devido destaque para : "Human Wreckage", Blood and Pain" e Open Your Grave" do seu trabalho de estreia Caedem.
No ano de 2015 lançaram o trabalho Hell on Earth que faz jus ao nome devido a sensação de pesadelo e fim do mundo que tem esse trabalho como na faixa titulo e em Abyss of Stupidity.


Scream Of Death:  O Metal Extremo no Norte é fortíssimo e provando isso temos o Scream of Death formada no ano de 2008, os caras tem a manha de fazer uma transição entre Thrash/ Death de maneira brilhante, e claro que nossos leitores podem observar isso na demo auto intitulada mas principalmente no seu trabalho de estreia Madness of Mankind, um petardo que e difícil de apontar destaques mas para não falar que não citamos, não deixe e conferir Execution, Massacre com participação de Fernando Lima do Drowned e Desgraçado.



Deadnation: os donos da casa, a banda está se tornando um nome frequente nos grandes festivais catarinenses, e isso se explica quando eles estão no palco pois Fabricio Wronski (Chubaka) - Vocal
Rafael Spilere - Guitarar / Back Vocal, Jefferson Pereira (Finho) – Guitarra, Jadson Falchetti (Feto) – Baixo e Gustavo Oliveira – Bateria, honram o que o nome Death Metal quer dizer, eles estão na iminência de lançar o seu álbum de estreia e para qume não conhece a vanda comece pelo single Redrum uma bela homenagem ao filme iluminado só que de maneira mais brutal possível.


Então Headbangers não deixem de colar hoje no caverna para que tenhamos outras edições do Bisho Extreme Festival

Playlist de uma Semana Extrema # 05


Hail Headbangers, mais uma semana se finda, e aproveitamos para conversar um pouco com nossos leitores de trabalhos que ouvimos essa semana, lembrando que nesse quadro falamos de trabalhos internacionais, e apresentamos uma resenha super sincera, bem nos moldes de conversa de bangers mesmo. Então vamos lá:

1) Children Of Bodom- Hexed: Uma pena que o COB vai ser obrigado a passar por uma grande restruturação, porque esse é o trabalho mais interessante que eles lançam a bastante tempo, chegando ao seu décimo lançamento, normal que eles tenham uma formula consolidada que aqui se renova ao mesmo tempo que volta as origens, parece um paradoxo mas na verdade é isso mesmo a banda se renova mas mantem aquela agressividade clássica do Death Metal melódico como no single "Under the Glass of Cover". ao longo do trabalho outros sons deixam essas ótimas impressões como em:  Platitudes and Barren Words" e "This Road, na verdade o trabalho é puro COB saudades de Hatebreeder" ouça Hexed.


2) Pungent Stench – Ampeauty Um dos nomes mais fortes do Underground, que lançou algumas perolas do extremismo como: For God Your Soul ... For Me Your Flesh" e "Been Caught Buttering". Em 2004 quando lançaram esse trabalho a banda estava em estágio de quase de hiato, e nesse trabalho aqui você vai encontrar muitas influencias de Rock e até blues, o que anos depois muitas bandas mais extremas abordaram essa formula. Então mais uma vez Martin Schirenc foi pioneiro,esse é umc ara que tem no minimo um humor bem peculiar confira em sonso como: The Amp Hymn, "Got MILF? e Same Shit - Different Asshole



3) Annihilator – Alice In Hell Quando se pensa em clássicos do Thrash Metal é claro que muitos nomes do Big Four e do Teutonic Four são lembrados, mas pensando um pouco fora do obvio, qualquer lista bem feita irá apontar o trabalho de estreia da banda do guitarrista Jeff Waters, para quem conhece é chover no molhado peguei esse álbum para ouvir porque é sempre om recorrer aos clássicos e sua abertura com uma intro a violões de Crystal Ann" da espaço para a destruição Alison Hell" um hino mas não para por ai W.T.Y.D." (Welcome to Your Death), Word Salad, Ligeria e Human Insecticide estão todas aqui e na minha opinião Randy Rampage foi o melhor vocal que já passou pela banda, a alcunha de clássico não é a toa e o cd abaixo também vai na mesma onda outro tesouro do metal extremo.

4) Autopsy- Severed Survival: Chris Reifert, é deus .... não basta ser um baterista monstruoso, dono de um vocal podrão ,o cara ainda por cima foi baterista do Death,e formou o Autopsy, pow só me resta dizer obrigado ... nesse trabalho ainda temos uma aula de como o baixo deve soar no metal extremo e sem duvida o professor atende pelo nome de Steve DiGiorgio, um time desse, vai te ofertas sons como: Charred Remains", "Ridden With Disease, ah que se foda todas.... um álbum obrigatório para todos os fãs do Metal da morte.


Iron Maiden: A Matter Of Life And Death - Tem gente que diz que a banda é ótima o que estraga são os seus fãs, não concordo até entendo o fanatismo que o Maiden exerce nos seus fãs, e os mesmos podem deixar que álbuns não tão bons sejam visto como obra primas, entretanto justiça seja feita desse Maiden do novo século, A Matter Of Life And Death é um dos melhores e por mais que muita gente torça o nariz pra ele,acredito que eles seja uma continuação de X Factor só que agora com um vocalista bom de verdade e coloca bom nisso como é mostrado em: "Brighter Than A Thousand Suns" e "The Reincarnation Of Benjamin Breeg" falar da habilidade de cada membro é desnecessário então ouça um trabalho mais progressivo do Iron e admire a maior banda de Heavy Metal do Mundo. Um adendo "For The Greater Good Of God" ao vivo é linda demais e "The Pilgrim" é um show de batera do Nicko lembra a idade dele , pois é tem gurizada ai que não faz a metade que ele. 


Black Sabbath- Headless Cross:  Uma das ideias que veio ao criar esse quadro foi: tem álbuns que eu odiava mas agora posso ouvir outra vez, até não estranhe se daqui alguns anos os mesmo álbuns for avaliado de outra maneira, mas enfim porque to dizendo isso? porque eu odiava esse trabalho, sério só de pensar meu Sabbath sem Ozzy ou Dio, não rolava eu pensava que porra é Tony Martin ? Mas enfim anos depois peguei pra ouvir e não é que o danado é bom... Claro tem acento muito mais hard rock só que longe das farofadas é um hard sombrio trevoso mesmo começando por "The Gates of Hell"/ faixa título.  Cozy Powell dá show aqui "When Death Calls", que musica linda, "Kill In The Spirit World" e Call Of The Wild", um dos melhores lados B do grande Sabbath, vai pelo seu amigo Harley aqui da uma chance pra esse disco não é Top Five da banda mas Top Seven pode rolar hein ?
 




Proxima  → Página inicial

Total de visualizações

Baphomet

Baphomet

As mais lidas