Cobertura Maniacs Metal Meeting 2018 Dia 02

Segundo dia do festival, depois de repor as energias estávamos preparados para a maior maratona do  festival, com um total de 15 bandas. Entretanto, ao chegar lá, fomos informados que devido a problemas de logística, impediram a Holocausto de se apresentar. Como estávamos na cobertura de imprensa, presenciamos que ocorreu um baita esforço por parte da produção para tentar trazer a banda para o Sul, mas tal ação ficou muito complicada, sendo que, esperamos uma próxima oportunidade para ver essa grande banda do Metal Mineiro.
Segue a nota do cancelamento:

CANCELADO SHOW HOLOCAUSTO

Em virtude do cancelamento do voo por parte da empresa LATAM, a banda Holocausto não poderá se apresentar no Maniacs Metal Meeting 2018.
A organização do evento e a banda Holocausto lamentam muito o ocorrido.

"O pessoal da MMM antecipadamente e de forma organizada nos contratou e nos enviou as passagens com aproximadamente 3 meses de antecedência , as passagens eram pela companhia LATAN hoje sairiamos de BH/MG as 6:15 da manha e chegaríamos a Curitiba AA 9:20 da manha fazendo convecção em SP. Entretanto quando chegamos hoje as 5:00 no aeroporto de Confins em BH, o pessoal da LATAN disse, sem mais nem menos e sem avisar, que o vôo foi cancelado. Apos explicar MOS que tínhamos um espetaculo a cumprir, o pessoal da LATAN tentou junto a Companhia GOL nos encaixar em algum vôo para Curitiba, em principio um vôo as 13 horas com chegada prevista em Curitiba as 19:45, estávamos aguardando o remanejamento do vôo, quando veio a noticia que em fincão do mal tempo a GOL, cancelou este vôo também. Desta forma inviabilizando nossa presença no MMM, muito infelizmente e lamentavelmente.

Assim a Companhia LATAN, alegou que em função do mal tem nem as Companhias aéreas Azul e Avianca também não tinham vôos para Curitiba, principalmente em função do mal tempo de hoje!!!

Lamentamos muito o ocorrido e não foi culpa dos organizadores competentes do MMM e não foi culpa nossa, pois sempre cumprimos com seriedade, compromisso e consideração aos fans todos nossos shows e lamentamos que no Brasil as Companhias aéreas tratem seus clientes com esta falta de consideração e compromisso profissional.
Caso a Companhia aérea LATAN tivesse comunicado ao passageiros ou aos compradores das passagens previamente do cancelamento do vôo, poderíamos ter reunido esforços e comprar novos bilhetes, mas em face da falta de compromisso da LATAN com seus clientes tas fato não foi possível de contornarmos. Podem contar conosco em um próximo festival ou show que sera um lazer tocarmos para o pessoal do metal extremo de Rio Negrinho e região". - Banda Holocausto.



Com essa mudança de cronograma, o palco principal teve a abertura da One Man Band: Rope Bunny. O músico estava escalado para se apresentar, porém não seria no palco principal, com tal possibilidade apresentada, ele não perdeu tempo e aqui é preciso falar que Roberto Corrêa Scienza, a mente por trás do projeto, é um baita músico, pois ele toca guitarra, gaita e canta, e ainda mantém o ritmo com uma percussão no pé, não vou comentar muito, pois deixei aqui embaixo um vídeo da apresentação do cara, ouça e tire suas conclusões!

Registro feito por Steph Ciciliatti, do canal Flash Banger

Nesses vinte anos de Underground o cara já fica calejado de assistir shows e sabe quando uma banda não está muito afim de tocar e sabe também quando alguma está com sangue nos olhos e esse segundo exemplo enquadra perfeitamente a GrimphaVinda diretamente de Curitiba e com o EP "Induced Hate" na bagagem, fez jus a esse nome porque a banda expressava ódio em cada nota com uma pegada do Death Metal da velha escola. Formada por músicos experientes da cena paranaense, causou uma ótima impressão a quem os assistiu, com músicas como "Faces of Fury”, “Doctrine of Thorns" e a faixa título do EP.



Para os não iniciados, o Grindcore é só barulho e caos sonoro, para os mais experientes o Grind é exatamente isso! Representando muito bem e tão bom quanto tivemos a  Crotch Rot, que tem nas sua formação músicos da Terrorgasmo e da Furúnculo Anal, assim só se pode esperar gore, grind e porn da melhor qualidade. Arriscamo-nos a dizer, que essa foi uma das melhores apresentações do festival, pois a banda estava insana e o público respondeu com mosh, rodas de dança e rolos de papel higiênico voando na galera (???)! Nós fizemos uma resenha do trabalho Pata de Camelo http://www.undergroundextremo.com/2018/12/dissecando-eps-crotch-rot-pata-de.html, e dele saiu músicas como Cachorro Transante, Molho Madeira X Gordinha, além de outros sons como Espadinha de Piru e Brochas From Hell, também entrevistamos a banda e como citado na resenha do EP, viramos fãs.


O Thrash/ Crossover do trio Eskröta é muito bem recebido pelo público, principalmente depois do lançamento do EP Éticamente Questionável, agora finalmente podemos ver como que elas soam ao vivo, na verdade não totalmente elas, já que para esse show foi recrutado o baterista Jhon França, ao lado de Tamy no baixo e Yasmin na guitarra e vocal. No Maniacs tocaram o EP na íntegra e essa formação com Ya nos vocais me agradou bastante, sendo que ainda de quebra rolou uma música que estará em um próximo lançamento Burn The PoorAlém de serem ótimas musicistas existe a importância da representatividade e o fato de que suas letras tem algo a dizer, posso afirmar que o nome Eskröta  faz jus aos elogios que vem recebendo da mídia.



Ecletismos em festivais é algo muito importante, por isso que não espanta a escalação do Prog Power da Symmetrya, com o recém lançado Beyond The Darkness. Essa banda conseguiu chamar a atenção mesmo esse não sendo um estilo que escutamos muito frequentemente, músicas como Dying Hard (peso e melodia do Power moderno), To Live Again, e ainda um cover de Heaven and Hell, um clássico da fase Dio no Sabbath, foram sons que prestigiamos e é aquela coisa, para cantar Dio, o vocal tem que ser no mínimo muito bom, então a banda mostrou entrosamento e técnica.



Essa edição do Maniacs foi perfeita par adoradores de podreira sonora e nessa vertente curtimos muito bandas que usam dois vocais, como o caso da banda  Rot, que sem muito tempo para respirar a foi despejando toda sua raiva contra tudo e todos, não faltaram músicas do trabalho A Long Cold Stare como Happy Absurdity, IndifferentPost Mortal Promisses, além de Horizonte Invertido e Face The Facts, resumindo, foi um show destruidor como toda banda extrema deve apresentar.



O festival proporcionou a chance de assistir uma das bandas que, particularmente, mais admiramos no Underground Nacional o Paradise In Flames. Antes do show, convidamos alguns amigos para colarem na frente do palco, e ao final da apresentação lhes perguntamos o que tinham achado, um deles comentou: - "Porra, é o Behemoth Brasileiro!!!". Mesmo não gostando de comparações, admitimos que o nível do Paradise realmente impressiona, sua sonoridade tem um peso extremo, mas ao mesmo tempo, apresenta melodias que só uma banda bem entrosada consegue e chega nesse nível de trabalho, ouvimos sons como a nova Hell NowEverlasting Scars The Devil From the Sky.



Chega a hora do terror no festival, representado pela Cemitério, Hugo Golon, um de seus componentes, é um monstro, o cara não se limita a fazer um show foda com a Flageladör na noite anterior e estar envolvido em muitos projetos entre eles Comando Nuclear e Cemitério, um dos meus favoritos, pois mistura o Death Metal da velha escola com filmes de terror, ou seja o casamento perfeito. Com um CD e um EP lançado recentemente, a banda contou com o público nas mãos que desda a primeira música cantou e se quebrou na grade, deixando Hugo e toda banda emocionados com a recepção do público, e convenhamos, foi impossível ficar inerte a sons como Natal Sangrento, Tara Diabólica, Quadrilha de Sádicos e Sexta Feira 13.



O Black Metal não poderia ficar de fora do Fest e um dos primeiros representantes a pisar no palco do Maniacs foi a horda Creptum, com uma postura de palco gélida e com indumentárias no palco, a horda apresentou sons mais conhecidos como In the Arms of Death On the Pale Horse, além de VAMA, On my Skin e Transformation  que estarão presentes no próximo trabalho e pelo que pudemos presenciar ao vivo, em 2019 a banda lançará um opus marcante para os admiradores do Metal Negro.



Quebrante será sem dúvida um dos trabalhos que estará na nossa lista de melhores lançamentos do ano de Grind, pois se você reparar, o Facada faz parte daquele seleto grupo de bandas que nunca lançou um trabalho ruim, com o grind a frente, mas com várias outras influências, a banda fez uma apresentação perfeita e engajada, sendo que seu discurso foi muito aplaudido nas músicas Feliz Ano Novo, Tudo Vai Ficar Pior, O Cobrador, Falta Excesso, entre outras.


Mantendo a atmosfera negra do evento a Murder Rape se apresenta no evento, e até mesmo os não iniciados em Black Metal, sabem que a horda é um dos nomes mais representativos no Brasil e ao contrário de muitos nomes por aí, eles não são dependentes apenas de imagem e nome, ao vivo, a banda mostrou o porque do seu status, seja com a indumentária do palco, com cabeças de porco espalhadas, com coroas de arame farpado e óstias sendo destruídas, mas como disse nada disso seria suficiente, se o som fosse ruim, mas fomos tomados pela hecatombe provocada por And Evil ReturnsEmbassy of Satan e Echoes From the New Millenium.




Foi confirmado que The Evil também teria sido afetada pela questão dos vôos e que talvez não chegasse a tempo para se apresentar, mas com o esforço da produção juntamente com a banda eles conseguiram  chegar ao festival. Quando o trabalho auto intitulado foi lançado em 2017, a sonoridade macabra e profunda chamou a atenção e ao vivo parece que colocaram o CD para rodar porque é tudo tão bem tocado e executado que até arrepia e verdade seja dita, se Miss Aileen já rouba a cena no registro de estúdio, ao vivo, ela impressiona, o som da The Evil é tão bom e tão forte, que nem precisa ficar nas costas daquele rótulo de banda de um ex-Sarcófago.



Não é todo dia que temos uma apresentação da Sad Theory, sabendo disso, boa parcela do público foi para frente do palco prestigiar essa banda que pode ser chamada de Prog Death Metal, esse rótulo pode parecer exagerado mas ouça o mais recente trabalho Entropia Humana Final, que com letras complexas e sonoridade idem é difícil não ficar impressionado. Com Alvorada das HienasPunhais Longos e Cortes Profundos, Algofobia, Inanição entre outros sons foi que a Sad Theory provou que por mais dificuldades que seja ter uma banda no Brasil, os mais fortes sobrevivem.



Trator de guerra brasileiro, trator de guerra do Brasil, estreando uma nova formação a Trator BR trouxe para o Maniacs, o melhor os seus  dois trabalhos já lançados e uma prévia do que esta por vir, vale lembrar que a banda esta residindo agora na ilha da magia, e mesmo com uma formação até aquele momento inédita, eles se mostraram entrosados como vimos nos sons Floresta Armada, Fogo Fátuo e Já é Jacaré.


O horário e o cansaço estava visível na face dos bangers, mas para quem conhece a horda  Opus Tenebrae a hora poderia não ser das melhores, porém, como ocorreu na noite anterior, uma boa parcela do público ficou até o final e presenciou o Folk Black Metal da banda. Os elementos da cultura celta são muito frequentes na sonoridade dessa horda, seja pelos instrumentos, ou pela temática de suas músicas, que soam como verdadeiros hinos de guerra e exaltação da cultura daquele povo, entretanto, ao contrário de muitas bandas de Folk, a Opus Tenebrae não abre mão da agressividade, o que percebemos em sons como In My Blood, Opera Mortis e Aurea Hyspania.



Em breve publicaremos a terceira e última parte de nossa cobertura do MMM 2018, continue acompanhando nosso site... Nos encontramos num futuro próximo! Valeu...

Texto escrito por:  Harley Caires
Revisão: por Carina Langa.

←  Anterior Proxima  → Página inicial

Total de visualizações

Baphomet

Baphomet

As mais lidas