Cobertura de Evento: Metal no Vale Festival Online 2ª Edição


Com intuito de promover a cena do Underground o Metal no Vale chegou na sua segunda edição do festiva on line contando com 12 bandas da região do Vale do Paraíba além de 04 bandas convidadas fechando assim um cast bem diversificado e pesado.

Queremos parabenizar a todas as mídias, bandas e publico que estão se empenhando para manter a cena ativa mesmo em tempos pandêmicos, então confira como foi o fest e corre lá no youtube para assistir e apoiar. 


A abertura contou com ​Burst Into Fire com o som Hold me Dow que me impressionou positivamente um som difícil de rotular tem uma pegada moderna e muito peso ao mesmo tempo um refrão bem melódico que fica na memoria, para fãs de Stone Sour por exemplo uma grande indicação.  

Coyote badtrip:  Apresentando sua nova formação a banda Coyote Badtrip vem com guerra divina um som que tem uma letra que explora o fato das religiões serem uma das grandes causas das mazelas do mundo, isso embalado em um Death/Thrash metal sensacional, outro nome ai para ficar de olho e nossa torcida para poder prestigiar eles ao vivo pós pandemia

Wayfore
Apresentou o som Sombras Uma banda que não conhecia e achei bem interessante a proposta de fazer um som autoral em português , com toques também modernos e um vocal que sabe muito bem usar os drives, sucesso ai pra gurizada.

Tublues, Quem disse que o Brasil não tem rock de qualidade esta muito equivocado, vampiras do sexo do Tublues, tem tudo aquilo que a velha escola de Casa das Máquinas, Patrulha do Espaço entre tantos outros ensinou, rock sacana com guitarra fritando. 

Rádios quebrados - Monstros Com um pé no rock e outro no Hard /Heavy a rádios quebrado mostrou uma proposta de som bem definida o vocal não apela para gritos exagerados e note as linhas de guitarra do som, muito bom.

Madds Para fechar um bloco total de rock roll em português a Madds apresentou um som que é totalmente sententista aquele perfeito para pegar estrada, a proposta deles é essa mesmo e acertaram em cheio.

Berserkers Viking Riders: Uma das maiores revelações do fest na minha opinião a banda vem de Manaus e apresentou o som The Secret of the Eyes, um som que tem uma pegada de metal melódico com Stoner e Prog, investiram na produção do som e acertaram em cheio, a cena de Manaus sempre é forte e a BVR é mais um nome para conferir, um adendo o que esse vocal canta é absurdo 

Revengin:  Representando o sinfônico/ gothtic metal nacional o Revengin veio lançar no fest o som Dance Around the flame, e já falei em outras coberturas a cena do sinfônico no Brasil não deve nada para a cena europeia, em talento dos músicos e qualidade das bandas.

Sinaya: Riddle of Death já é um clássico da banda, e ver cada musico no vídeo debulhando sua parte e sensacional , o Sinaya dispensa mais apresentações , banda consolidada no nosso cenario e sempre quando aparece no fest e alguém não conhecia a banda fatalmente se torna fã confira a resenha do trabalho no link: http://www.undergroundextremo.com/2019/10/resenha-maze-of-madness-sinaya.html

Liar Symphony:  Banda clássica da cena de Garulhos - Sp e se o cenário musical brasileiro fosse mais justo seria gigante, pois a sonoridade deles não deve nada ao Angra , Shaman , hangar e outros baluartes do Power Metal nacional, ouça Self Destruction som que apresentaram aqui e tire suas conclusões. 

Mártys:  apresentou o som evolução em vão com uma pegada de metal moderno que vai do Death para o Hardcore com os vocais mais gritados , como se fossem palavras de ordem bem interessante. 

Howself : apresentou My Mercy, sendo esse o primeiro vídeo deles em festivais e deixou uma ótima impressão com um som que vai na veia do metal tradicional com vocais que puxam para o Power Metal lembrando um pouco o Firewind. 

DH:  Para quem conhece a cena das antigas sabe que o DH já fazia um barulho na década de 90 e agora eles decidiram voltar a ativa e com o mesmo pique e sangue nos olhos das década passadas, Human deformation apresnta essa nova fase, Death metal da velha escola sem mais 

Faces of death:  Priest from Hell, trazendo ainda mais agressividade para o festival o Faces of Death apresentou esse som que esta presente no seu trabalho From hell, e o nome faz bem jus pois quem já ouviu sabe que a sonoridade do Faces of Death te arrasta para o caos infernal, sou fã demais dessa banda de Death/Thrash.

Fishead:  aproveitando o festival para lançar o single Selfish Me o Fishead apresenta um prog metal que me remeteu ao Fates Warning, ou seja eles são virtuosos quando a música pede e não para se aparecer, erro fatal que muitas bandas cometem, se o trabalho vier na qualidade desse som, não esperamos nada menos que sensacional. 

Ancestral Maledicition São mais de 25 anos de metal da morte o Ancestral Malediction tem alguns trabalhos que dão um norte para o estilo no Brasil então nada mais justo que eles encerrarem o fest a faixa escolhida foi Christian Fiction do não menos potente Huge Blackness.