Entrevista: Silent Empire


Silent Empire é um nome reconhecido na cena catarinense e parte disso se deve ao talento de seus músicos, a qualidade de suas composições e a garra de cada um deles, com destaque para o membro fundador Ivan Fábio Agliati, com uma larga experiência na cena e sem medo de emitir opiniões, fizemos essa entrevista para saber mais desse grande nome do Metal Brasileiro.



1)Hail Ivan é uma grande honra para o Underground Extremo estar realizando essa entrevista, gostaria que incialmente para quem não te conhece, você fizesse uma apresentação citando um pouco suas influencias e bandas qual participou antes do Silent Empire.

Ivan – Eu tive meus primeiros contatos com musica, Rock ainda nos anos 80, ouvindo muito de Eric Clapton, Joe Cocker, Bruce Springsteen, Titãs, RPM, estamos falando aqui de 1986/87. Logo em seguida o negocio ficou sem freio, vindo então Scorpions, Iron Maiden e finalmente Motorhead(minha banda numero 1), e o Metal Extremo veio como sequencia natural. Assim minhas musicas possuem uma grande variedade de influencias, pois ouço muitos estilos dentro do Rock ao Black Metal. Já toquei em algumas bandas que não gravaram nada, mas destaco Malice Garden, Forest Of Demons, Warmagedoom, que possuem material pra comprar ou atualmente, baixar.


2)Como foi o processo de formação da Silent Empire, e como está estabilizada a formação agora, vocês tiveram algumas trocas de baixista ao longo dos anos não é mesmo ? Isso chegou a ser um problema para o desenvolvimento da banda ?


Ivan – Formei a Silent Empire quando decidi encerrar atividades com a Warmagedoom, mas queria fazer tudo diferente, seja nas musicas, como nas atitudes internas, ter mais compromissos e unidade. Tanto que demorou algum tempo pra estabilizar formação. Eu escolho com quem toco, não gosto de misturar amizades com bandas(se vier junto, é um bônus é claro, como é atualmente ). As trocas de baixistas atrasam nas composições, mas não é um entrave, pois também sou baixista. Nada pode parar a Silent Empire, caso eu não queira, se é que me entendem.


3) Hail the Legions foi o EP de estreia como foi a receptividade do mesmo , e o quanto ele contribui para o excelente Dethronement of All Icons”?


Ivan – Tivemos mudanças de formação durante as gravações, mas não tiraram o valor do material, pelo contrario, ouve maior gama de influencias.A aceitação foi acima do esperado, pois todas as copias saíram rapidamente, fizemos uma nova prensagem de 200, que também se esgotaram. Futuramente colocar de bônus em algum novo material. E nos abriram muitas oportunidades fora de nossa rede de contatos de shows e divulgação.

4)Dethronement of All Icons”, foi eleito no nosso site com um dos melhores lançamentos de Death Metal do ano passado, porém não dá pra chamar o som da Silent Empire de Death puro em simples pois tem muitas influencias de vários estilos, você concorda com essa citação? e ouvindo o trabalho hoje mudaria alguma coisa no mesmo?

Ivan – Eu mudaria algumas linhas vocais, acrescentaria alguns backing Vocals, que estarão mais presentes nas próximas musicas e ao vivo. Sobre as influencias e o Death Metal, é inegável que minha gama de influencias fique presente nas musicas, pois como sou o principal compositor, e ouço uma gama gigante de musica, e deixo isso fluir naturalente dentro das musicas, aliado às influencias particulares dos outros integrantes da banda. Sempre digo que o que amarra o som da Silent Empire no Death Metal são as guitarras bases e meus vocais. Em tempo, sou o principal compositor da banda, mas todos tem vital importância e espaço pra compor, tanto que é assim que funciona, neste aspecto somos uma unidade imbatível.

5)Gostaria que comentasse um pouco das capas do trabalho da Silent Empire, Gil Souza é uma artista bem diferenciado tanto no traço como no uso das cores, ele faz alguma ligação do som com as capas? 


Ivan – Gil é um velho amigo, um cara voltado ao submundo do Metal e das agulhas mortais das tatuagens. Ele capta rapidamente as mensagens das letras e cria as capas da banda. Desenhos ricos em detalhes e mensagens.


6)As letras da banda me chamam muito a atenção, qual a inspiração para escrever temas mais filosóficos e humanistas e que possuem leituras acidas as religiões de forma geral?


Ivan – Minhas refletem minhas visões de mundo, de Homem, e são basicamente minhas repulsas aos dogmas, ao mundo sem empatia. Sou leitor de livros de filosofia e sociologia e livros de terror, suspense, tudo isso culmina nas letras. E cá entre nós, hoje basta sair na rua e temos inúmeros temas para letras, mundo esta totalmente corrompido por gente morta de atitudes, de pessoas fracas de caráter. São contos cotidianos praticamente.

7)No momento a banda conta com duas musicistas, você acredita que isso pode ser apontado como um diferencial da banda, e já passaram por alguma situação desagradável na cena , que sabemos que ainda existem muitos babacas que se acham bangers por ai.

Ivan – Primeiramente importante citar, que a Aline e Rafaella estão na banda por mérito, por capacidade, e que agregam muito ao som, dinâmica e a organização interna da mesma. Dito isso, vou ao ponto que é mudar essa visão besta e machista que alguns poucos possuem de mulheres no Metal, especialmente no Death Metal. Aqui na Silent Empire não exploramos esse lado erótico, aqui o esquema é bruto, basta olhar a presença de palco de ambas, é de rever conceitos, de voltar pra casa e aprender a viver com isso. Importante ressaltar, as vezes as meninas dos shows, não as namoradas dos músicos, elas são as meninas do palco, que os namorados estão na plateia.

8) Ivan você é uma presença frequente em festivais , além de ser um dos organizadores do United Forces, que tornou se um festival itinerante, entretanto sempre quando vamos em shows aqui no nosso estado percebemos um número reduzido de público, na sua opinião porque isso está ocorrendo?.

Ivan – Sempre que posso vou aos shows, é sempre uma logística, pois com emprego , família e filhos pequenos, não posso ir em todos que gostaria, tento compensar em divulgação. O pouco publico nos shows, vem de situações complexas, pois atualmente as opções de ouvir musicas se ampliaram, a cultura mudou, os objetivos são distintos, a expectativa mudou, e a necessidade de interação se distanciou. No entanto em shows de grande porte, o publico comparece em massa. São situações que preciso entender melhor para lhe responder com mais exatidão.

9) Como agente atuador da cena , que bandas mais recentes vem chamando sua atenção (nacional ou internacional) e falando em bandas gostaria que comentasse como foi tua participação no álbum da banda Sanctifier?


Ivan – Ouço muitas bandas, de todos os estilos, novas , antigas, não as classifico, se soar bem aos meus ouvidos, ta valendo. Sobre fazer a participação no álbum dos gigantes da Sanctifier veio por meio da amizade e respeito ao membro fundador, Alexandre, foi uma grande honra, visto que a qualidade já era esperada, pois o padrão deles é brutal.

10)Nas mais recentes apresentações já tivemos amostras do próximo trabalho da Silent como a musica In Death I Rest, o que pode adiantar para os leitores do Underground Extremo acerca desse terceiro registro?

A musica in Death I Rest estará nas plataformas digitais. As musicas do novo material estão tomando forma, e logo entraremos em estúdio pra gravar, sob o titulo de “Silent Means Death”. Podem esperar por um material com bastante influencia de Metal Tradicional, Black Metal, andamentos Thrash Metal, e bases de Death Metal tradicional, com meus já característicos de quem me conhece.

11)Obrigado pela entrevista Ivan o espaço é seu para considerações finais aos nossos leitores.


Ivan – Agradeço ao espeço cedido á nós e por todo respeito que nos trata sempre, isso é sempre levado em consideração. E vamos nos antenar nos próximos shows da Silent Empire, com novos merchandising, musicas novas e Death Metal saltando nos ouvidos.


Hail The Legion.



←  Anterior Proxima  → Página inicial

Total de visualizações

Baphomet

Baphomet

As mais lidas