Entrevista: Soulspell


 O amor a música é algo difícil de explicar, ´pois ele move barreiras aparentemente intransponíveis e faz com que sonhos antes inatingíveis  se realizem, acredito que essa é a melhor definição para o Soulspell, inicialmente um projeto na mente de Heleno Vale porém hoje é uma realidade a nível mundial sendo responsável por belíssimo trabalhos além de nos revelar nomes de inegável talento.
 O Underground Extremo teve a honra de entrevistar o mentor do projeto e nessa entrevista o musico mostrou o percurso formativo e deixa claro que a estrada ainda é longa mas os resultados colhidos são impressionates , fruto de muito trabalho. Livre de rótulos Souslpell é sinônimo de ótima música e um orgulho para o Metal nacional confira nossa entrevista exclusiva



1) Hail Soulspell é uma honra estar entrevistando um do nomes mais representativos do Metal nacional , gostaria de começar nossa entrevista com uma dúvida antiga, desde que conheci o projeto sempre achei que o termo Metal Opera é mais relacionado a forma que o trabalho é desenvolvido do que na sonoridade em si, pois a banda passeia por vários estilos como o Prog e o Power Metal então para vocês o que define Metal Opera?

Heleno: Olá, muito obrigado pela oportunidade. Na minha opinião o termo “Metal Opera” define um estilo musical ramificado do Heavy Metal, onde vários vocalistas interpretam personagens de uma história. Além disso, há uso de corais de vozes, como frequentemente acontece numa ópera tradicional. Então creio que não haja muita ligação com o sub estilo do Heavy Metal apresentado. Uma Metal Opera pode ser Prog, Tradicional, Power etc.

2) Analisando os trabalhos do Souslpell é possível ver uma evolução constante tanto na obra, como nos convidados e na história, quando ocorre o processo de criação você já tem o convidado ou membro da banda que vai executar cada faixa ou isso vai se formando ao longo das gravações?
Heleno: Acontecem ambas as situações. Procuro projetar tudo antes, da melhor forma possível, mas não gosto de fechar portas, pois muitas ideias fluem durante as gravações. Gosto de usar essas ideias originadas de outras mentes maravilhosas participantes do projeto.

3) O primeiro registro A Legacy Of Honor apresentava só vocalistas e instrumentistas brasileiros, quando foi que você sentiu a necessidade de incorporar músicos estrangeiros , para o trabalho e qual musico você gostaria de ter nos seus trabalhos, e aproveitando a citação de ALOH gostaria que comentasse a participação do saudoso Mário Linhares uma das maiores vozes do nosso heavy metal nacional.

Heleno: Eu sempre fui um grande fã do Heavy Metal Nacional. Quando meu primo me mostrou a fita cassete de uma banda chamada Dark Avenger, quando eu nem imaginava fazer música, meus olhos (e ouvidos) brilharam. Eu sequer imaginava que aquela banda era brasileira e quando descobri, passei a ohar o Heavy Metal Brasileiro com outros olhos. Desse ponto em diante, Mário Linhares se tornou um de meus maiores ídolos, talvez o MAIOR ídolo vocal masculino que tive na vida. A execução vocal daquele primeiro álbum do Dark Avenger é, na minha opinião, talvez o GRANDE trabalho vocal que um vocalista masculino já tenha feito na história do Heavy Metal, acima de grandes feitos como Keppers II (Helloween), Angels Cry (Angra). Importante destacar aqui que, na minha opinião, a sonoridade daquele álbum é bastante simples, talvez com baixo investimento na época, fato que enaltece ainda mais a execução do Mário. Lido esse parágrafo, você pode ter uma ideia do que foi pra mim (eu arrepio enquanto escrevo isso), o momento que Mário pisou em Lençóis Paulista, minha cidade “natal” e entrou num estúdio gravar uma música de minha autoria, o refrão da música título do projeto. Sobre os gringos no Soulspell, eu sinceramente não via a necessidade disso no primeiro álbum, pois era e ainda sou fã demais dos trabalhos daqueles músicos brasileiros que pra mim são alguns dos melhores do mundo, muito acima de praticamente todos os gringos. Na minha opinião, Daísa Munhoz é a melhor vocalista que já existiu. Sem palavras pra descrever também os demais talentos de Leandro Caçoilo, Nando Fernandes, Christian Passos etc. 


4) Recentemente a banda fez um show especial para a gravação de um DVD antes de focar mais nesse trabalho gostaria que comentasse um pouco como foram as primeiras experiências de executar as músicas do Soulspell ao vivo, recrutar vocalistas, e instrumentistas até chegar na banda Souslpell.

Heleno: O começo foi bem diferente. Antes do primeiro álbum eu lutei bastante pra ter uma banda fixa de Metal Opera. Não consegui, pois a maioria dos músicos regionais não abraçou a ideia na época (era realmente uma ideia muito estranha...rs não os culpo). Com o fracasso da empreitada, eu resolvi liderar um “projeto” musical, onde convidaria músicos diversos a gravar em estúdio e talvez nunca fizesse shows. No entanto, após o enorme sucesso do primeiro álbum, rolou um forte apelo dos fãs para shows. Desse ponto em diante, já sabendo que não rolariam shows com todos os participantes, devido ao alto custo, comecei a buscar membros pontuais que poderiam em N aspectos realizar um show com cast reduzido. Foi assim o começo da banda Soulspell. Hoje, posso dizer, após muitas mudanças, que estamos com um cast de músicos incríveis que já está junto há praticamente 5 anos.

5) Agora sim, falando mais do DVD, gostaria que comentasse como foi a escolha do set e a gravação e imagino que deve ser uma sensação de dever cumprido vendo esse trabalho se materializando, e a propósito existe uma data previa de lançamento, que marcam o dez anos do Soulspell?

Heleno: Não quero dar uma data, pois esse é nosso primeiro DVD e pretendo trata-lo como um filho para que seja um material único e histórico para os fãs. Vai valer a pena a espera. O que posso dizer é que a finalização de áudio e vídeo está em processo e está tudo caminhando muito bem. Sobre a sensação de dever cumprido, acho que só vou senti-la quando entregar esse material aos fãs. Daí sim será, sem dúvida, um dos momentos mais simbólicos de toda a carreira do Soulspell e de minha vida pessoal. Sobre o cast e set, foram processos longos que acabaram sendo mudando bastante com o passar dos meses de preparação. Ambos ficaram realmente definidos cerca de apenas 2 meses antes da data do evento. No entanto, como a banda sempre esteve bem preparada e acostumada com isso, não houve grande impacto na execução. A escolha se baseou em músicas que eu fazia questão que estivessem ali conosco para celebrar esse marco (algumas não consegui que estivessem e me dói o coração).

6) O rotulo Avantasia brasileiro aparece muito quando falamos de Soulspell particularmente essa comparação, chega a irritar vocês ou é algo inevitável, e falando em metal opera nacional além de vocês um grande nome que me vem a mente é o projeto Hamlet, entretanto trabalhos assim são muito raros, sendo o Soulspell um nome de sucesso quais conselhos poderiam passar para músicos que pensam em construir uma metal opera?

Heleno: “irritar” talvez não seja a palavra ideal, pois eu entendo essa posição de alguém que conhece pouco do Soulspell. Se essas pessoas conhecerem o projeto e suas músicas mais afundo, verão que a comparação se limita ao termo “metal opera” e estrutura de um projeto desse tipo. Eles foram os primeiros a usar esse termo e o Soulspell foi o pioneiro no Brasil (vieram outras que ficaram pelo caminho). Musicalmente falando, talvez a comparação seja um pouco equivocada. O Soulspell explora mais vertentes musicais devido a possuir influências mais diversas, creio eu. A geografia também altera e muito a forma de execução dos projetos. O Avantasia surgiu em um país de primeiro mundo, criado por uma banda que já figurava na cena como uma das principais bandas do estilo. O Soulspell nasceu e foi forjado no Brasil, por alguém que precisou e ainda precisa mover montanhas gigantes, em vários aspectos. Essa comparação é injusta e se faz ainda mais injusta quando vem de um brasileiro. Percebo que na Alemanha, por exemplo, os fãs são bem mais nacionalistas e apoiam seus projetos e bandas com mais naturalidade. Apoiar as bandas de seu país é algo comum por lá, mesmo para bandas que ainda não se consagraram.

7) Um dos meus trabalhos favoritos da discografia da banda é The Labyrinth Of Truths, o que poderia nos dizer hoje desse trabalho e a importância do mesmo para a consolidação do nome da banda e como fã aproveito a oportunidade para te agradecer por ter reunido John Oliva e Zak Steven.


Heleno: Obrigado. O primeiro álbum foi bastante importante, mas esse segundo trabalho foi o que realmente colocou a banda na cena nacional e internacional. Acredito que o clima das gravações tenha sido um grande diferencial, pois estávamos todos reunidos e todos contribuíram muito para o resultado final. Tenho um carinho muito grande por todas as faixas desse disco, principalmente pela música Into The Arc Of Time (Haamiah’s Fall) cantada, entre outros, por Jon Oliva e Zak Stevens. A maioria das músicas desse álbum continua no set list ao vivo da banda até hoje, mesmo após outros 2 grandes lançamentos. 


8) Hollow s Gathering e The Secong Big Bang apresentam listas de convidados mais imponentes, sendo que no primeiro o tempo de intervalo foi de dois anos já para o segundo o intervalo foi maior e a recompensa para isso foi construir esse dream team do metal Mundial, podemos dizer então hoje que mais que um projeto a banda já é uma realidade no mercado internacional.


Heleno: Sim, a espera para o último álbum foi necessária e bem projetada. Eu e meus queridos amigos que são meus “braços diretos” na banda nos reunimos lá em 2013 e decidimos que queríamos fazer um álbum grandioso para ser um divisor de águas em nossa carreira. Claro que isso demandaria tempo e muito trabalho. Traçamos uma lista de metas e conseguimos cumprir todas, uma a uma, um passo de cada vez. Foi tudo muito bem pensado e organizado. Creio que tenhamos acertado na decisão e atingido nosso objetivo e estamos começando agora a colher alguns frutos disso. Há mais convites para eventos e possibilidade de uma turnê fora do país em breve, finalmente. Creio que após o lançamento do nosso primeiro DVD e após uma turnê internacional, eu me sinta mais à vontade para pensar que a banda esteja consolidada no mercado. No momento, penso apenas que tenho que trabalhar ainda MUITO por esse reconhecimento.

9) No canal de Youtube do Soulspell tem vários covers, alguns até inusitados, gostaria de saber como é o critério de escolhas para as canções, e se podem revelar algum próximo covers ou vídeo que estão trabalhando.

Heleno: Quando decidimos fazer um tributo, há muitas decisões envolvidas. Primeiro, escolho uma música que seja realmente uma influência pra mim ou para o projeto como um todo. Isso é mais importante do que parece, pois escolhas certas podem gerar trabalhos feitos com mais carinho e cuidado, possibilitando um resultado final melhor. Tenho já traçada uma lista de nomes de músicas que poderíamos tributar de coração. Como sempre tive bastante influência tanto de Heavy Metal Tradicional, quanto de Power Metal, Thrash Metal, Pop Rock e Pop, esse leque de opções se abre bastante. Em seguida tento escolher músicos que possam sentir parte do que sinto sobre a canção escolhida a fim de que as gravações fluam mais naturalmente. Isso é importante, pois quase sempre fazemos releituras, ou seja, tentamos dar a cara do Soulspell para aquela gravação. Costumamos chamar isso internamente de “soulspellizar” uma música. Tento sempre alternar entre tributos Pop e Metal, portanto o próximo tributo a ser divulgado deve ser um tributo a uma banda de Heavy, Thrash ou Power Metal. 


10) Com um DVD a ser lançado, trabalhos significativos para o Metal Mundial, com certeza trabalho e amor pela música é o que os move, qual seria próximo grande passo do Soulspell, eu sempre imaginei um livro contado toda a estrutura da história seria uma boa não?

Heleno: O livro “Soulspell” já está sendo escrito. Ainda não posso dar a data de lançamento, mas será um grande sonho realizado pra mim. Talvez o divida em atos, como os álbuns, para conseguir lançar algo mais rapidamente, quem sabe. Estou devendo resumos para o pessoal se inteirar mais sobre a história e isso será disponibilizado em nosso site www.soulspell.com assim que ele estiver novamente no ar. Estamos bastante atrasados com isso, pois houve grande irresponsabilidade da empresa brasileira que fazia o site pra gente. Agora tomamos as rédeas disso também e tudo deve se normalizar logo logo.

11) Obrigado pela entrevista e pro todo trabalho em prol da cena, como head bangers nós temos muito a agradecer pelo seu trabalho o espaço final é seu para deixar um recado para os leitores do Underground Extremo.

Heleno: Eu que agradeço a oportunidade e também o parabenizo pelo espaço que dá à cena e pelo excelente trabalho. Creio que esse seja um momento de resistência, estudo e compreensão. Desejo que os fãs e bandas possam cada vez mais entender o processo atual para que o Metal Nacional encontre seu caminho como uma das melhores cenas do mundo. Nós acreditamos nisso e trabalhamos muito por isso. Muito obrigado.

←  Anterior Proxima  → Página inicial

Total de visualizações

Baphomet

Baphomet

As mais lidas